Defesa de Memorial para aprovação de novos Professores Titulares do Departamento de História da UFF

A terra vai tremer com o peso da historiografia que será passada em revista amanhã e depois no Campus do Gragoatá da Universidade Federal Fluminense, onde irá ocorrer a prova pública de progressão funcional para Professor Titular do Departamento de História da Universidade Federal Fluminense. Entre os que se apresentam para a progressão, Martha Abreu, que já é titular aqui do blog. Convidamos todos a acompanhar as defesas.

Aproveitamos o post também para divulgar o email que Hebe Mattos escreveu, em resposta à nota crítica sobre a prova pública de defesa do memorial em momento de greve, publicada hoje na Coluna de Ancelmo Gois, no Jornal O Globo.

Prezado Ancelmo,
As greves nas federais se tornaram há muitos anos uma ficção sindical que atinge apenas os cursos de graduação (ainda assim, enquanto se mantém o semestre letivo, bastante parcialmente) e, infelizmente, a credibilidade da instituição da Universidade Pública, como inúmeros professores do Departamento de História da UFF têm denunciado há tempos (e não apenas Daniel Aarão Reis). Assim como as pesquisas acadêmicas ou as bancas de mestrado e doutorado, os concursos internos de progressão para Professor Titular continuam ocorrendo nas Universidades Federais de todo o país, em todas as áreas de conhecimento, amplamente noticiados e abertos a todos os professores que atendam aos requisitos da nova legislação (aliás fruto da última greve). 
Os professores que estão se apresentando à progressão para Professor Titular no Departamento de História da UFF são, cada um deles, referências da historiografia brasileira em suas áreas de pesquisa, como pode ser acompanhado em seus cv lattes ou nas defesas públicas de memorial que acontecerão amanhã e depois. As inscrições para o concurso de progressão foram feitas há muitos meses atrás. 
O mapa das atividades suspensas, e das que não o são, durante as greves nas Universidades Federais, que se prolongam indefinidamente, com garantia de salários, não produz um retrato bonito da comunidade acadêmica. Por isso, muitos se recusam a aderir a elas, por objeção de consciência. É o meu caso e de muitos outros. 
Uma nota como a da coluna de hoje, porém, repercutindo acusações baseadas em ressentimentos internos sem qualquer base de sustentação merecia consulta a mais de uma fonte. 
Atenciosamente,
Hebe Mattos
Professora Titular de História do Brasil da Universidade Federal Fluminense

 defesas de memorial

4 Comentários

Arquivado em historiografia

4 Respostas para “Defesa de Memorial para aprovação de novos Professores Titulares do Departamento de História da UFF

  1. Felipe

    Professora Hebe, com todo o respeito, mas o fim do seu primeiro parágrafo desmente o início do mesmo. Furar greve é opção, mas foi essa “ficção sindical” que conseguiu os aumentos de salário e garantiu as novas regras do plano de carreira docente em 2012.

  2. Ines Patricio

    Felipe, mesmo quem apoia a greve manteve as atividades de pós-graduação. Converse com os líderes da greve e terá essa confirmação. abraço a todos.

  3. doca.mattos@gmail.com

    Hebe, Parabéns pela carta ao Ancelmo Góis. Muito esclarecedora da situação. Só agora tive tempo de apreciar.Mandei algumas fotos da exposição do André para vocês pelo Messeger. Beijos, parabéns tb pelo André. Tenha uma boa noite.

    Enviado do meu iPhone

    >

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s