Cartas aos amigos que decidiram votar B.

Martha Abreu

Ao longo de décadas, muitos afetos e muitas conversas, risos e momentos inesquecíveis nos aproximaram, mas hoje não consigo fazê-los entender que o candidato B. é um mal muito maior (Essa carta é mais uma tentativa). Até certo ponto, seguimos juntos na avaliação das gestões do PT e suas perigosas relações com os mecanismos da corrupção e com os políticos que representavam as velhas oligarquias de poder. A partir daí, mais nada em comum: vocês me apresentam uma lista de medos de que tudo vai piorar, de que vamos nos tornar a Venezuela, de que Lula vai governar o país e de que o PT precisa aprender que não pode tudo…

Será que é só isso que importa nesta eleição? Será que isso é suficiente para justificar o voto de vocês em um candidato que já defendeu teses contrárias à dignidade humana e aos valores civilizacionais, que não respeita os acordos universais sobre o meio ambiente, que nega acontecimentos históricos mais do que provados e documentados, que não vê importância na defesa dos povos indígenas e quilombolas, que apresenta um programa educacional de governo baseado nos valores militares, no controle e diminuição da importância dos professores, na desvalorização do sentido público da educação e no ensino à distância desde a escola básica? Pergunto a vocês como, com essa perspectiva, iremos combater o desemprego e formar trabalhadores e cidadãos preparados para os desafios do mundo globalizado?

Eu gostaria muito que vocês não passassem por cima de tudo isso somente para derrotar o PT na eleição para Presidente (as derrotas do partido já são inúmeras pelo Brasil em todos os níveis). Mas caso seja derrotado o PT, com o que ficaremos? Que ministros teremos nas pastas de educação, cultura, meio ambiente e trabalho? Como continuaremos a fazer parte da comunidade mundial que preza os valores da humanidade e da civilização democrática? Para que mundo melhor vamos poder contribuir e sonhar?

Nunca fui filiada ao PT e sempre valorizei minha postura crítica em relação a suas políticas e posições. Mas não posso deixar de registrar minha experiência nesses últimos 15 anos, como professora e pesquisadora da Universidade Federal Fluminense, ao acompanhar de perto várias importantes políticas educacionais e culturais implementadas pelos seus últimos governos – muitas delas sob o Ministério da Educação de Haddad. Entre essas inúmeras políticas, destaco, no campo que mais conheço, a ampliação das universidades, institutos federais e escolas técnicas em todo o país; a ampliação dos financiamentos para pesquisa, ensino e apoio a alunos de baixa renda; o crescimento dos programas de pós-graduação, a política de cotas, o programa nacional de distribuição (e avaliação) de livros didáticos, a distribuição de livros para a formação do professor e de literatura para todas as escolas do país; o apoio ao aumento do piso dos professores e a implementação de vários programas de melhoria da qualidade de ensino (em todas as áreas e na matemática especialmente!!); a valorização e apoio financeiro para as culturas populares e negras através de editais e pontos de cultura, entra várias outras.

Meus amigos, vivemos nesses últimos 15 anos uma vigorosa transformação silenciosa no campo da inclusão educacional e cultural que foi pouco divulgada e é pouco conhecida. Embora isso tudo esteja ameaçado de ruir, vou apostar que todo esse esforço não será perdido ou esquecido. Milhares de jovens, adultos e suas famílias foram atingidos por políticas que transformaram suas vidas. E é nisso que vou votar!!

Hebe Mattos

Como todo mundo no Brasil, tenho familiares e amigos que pensam em votar nulo ou em Bolsonaro no segundo turno. Dirijo-me a eles. Queria primeiramente que soubessem que nunca fui filiada ao PT e que votei muitas vezes por, mas também muitas vezes contra o partido, em diferentes ocasiões. Tornei-me defensora entusiasta do mandato da presidenta Dilma, em defesa da legalidade democrática e como forma de reação ao “antipetismo”, um sentimento que começava a transformar os defensores do partido em objeto de ódio coletivo, como o “judeu” de Hitler ou o “negro” da Ku Klux Klan nos Estados Unidos. Na contramão da corrente, vesti a camisa do PT, resgatando sua história republicana e democrática, a despeito dos erros de muitos dos seus quadros, erros compartilhados com todos os demais partidos políticos e que remontavam a tradições políticas brasileiras do século 19. Escrevi muitos textos sobre o tema, que vocês podem não ter lido ou que talvez não os tenham convencido.

Muitos como eu fizeram o mesmo gesto, apoiando explicitamente as virtudes do PT, apesar de seus erros, contando que nossa reputação intelectual e política acabaria por diminuir o sentimento de ódio que crescia e envenenava o ambiente social. Qual a surpresa ao nos vermos imediatamente estigmatizados como “petralhas”, “comunistas”, “feminazi” ou “esquerdopatas”. E tem sido sempre assim, cada nova pessoa que percebe o perigo e o denuncia é imediatamente rotulado. O neofascismo é hoje uma força política mundial que se baseia em fundamentalismos diversos que guardam em comum a vontade de eliminação do outro político do qual discordam. Hordas fascistas já cantam nas ruas que vão matar gays, feministas e ativistas em geral. Em nome disso, topam um candidato sabidamente corrompido, com um assessor econômico envolvido em denúncias, com um programa político simplesmente inexistente, mas que, e acho que isso é o essencial, fez apologia da tortura de seus inimigos políticos da tribuna do Congresso Nacional. Se vocês concordam com o elogio público feito por Bolsonaro ao torturador Carlos Brilhante Ulstra, a quem chamou de “o terror de Dilma Rousseff”, não precisam continuar a leitura. Sinceramente, espero que ninguém concorde.

Eu estou convencida de que a maioria dos eleitores de Bolsonaro no primeiro turno não é neofascista, e que muitos que pensam em votar nele ou nulo no segundo turno o fazem por subestimar o risco à democracia que ele representa. São democratas liberais ou conservadores, na maioria das vezes cristãos, que se tornaram antipetistas, justificando este antipetismo a partir dos muitos erros do partido e com argumentos específicos. Se este for o caso, peço que pelo menos escutem o Haddad e acompanhem os debates (se o outro candidato não fugir deles). Haddad é um político com trajetória impecável, de grande comprometimento com a democracia e com o sentimento republicano, que acredita na importância do equilíbrio das contas públicas, bem como na possibilidade de fazer da ampliação do acesso à educação e ao mercado de consumo de massas ferramentas efetivas de inclusão social, que acredita na liberdade de imprensa e nos direitos humanos universais e que, sobretudo, será capaz de conversar com o congresso tão diverso que se elegeu e buscar um governo que consiga restabelecer o equilíbrio democrático que perdemos desde o impeachment.

Queridos amigos e parentes, vivo no Rio de Janeiro, já ouvi os novos fascistas cantarem nas ruas pregando a morte e tive medo. A avalanche de notícias falsas que antecedeu o primeiro turno exemplifica bem sua forma de ação. Quem apoia publicamente torturadores não tem limites. A violência começa com os eleitores de esquerda, com LGBTs, com os pretos, com as feministas, 1/3 da população já está na linha de tiro e eles prometem armar a população, mas não se enganem, a lista de quem são os outros vai crescer se não mudarmos o rumo dessas eleições. Ninguém está a salvo.

Se detestam tanto o que ocorre na Venezuela, lembro que Bolsonaro e a extrema-direita brasileira são o que temos de mais parecido com o que se passa por lá. O problema não é o programa econômico que apresentam, aparentemente opostos, mas a forma com que organizam sua prática política. Sobre isso, sugiro a todos a leitura do texto de Steven Levitsky, da Universidade de Harvard, autor do livro “Como morrem as democracias”. Ele compara a Alemanha de Hitler, a Venezuela do chavismo e o risco da eleição de Bolsonaro.

Para além de qualquer argumento lógico, pela felicidade e segurança dos nossos filhos e netos,  que merecem crescer juntos num Brasil com escola pública para todos, sem racismo e sem homofobia, peço que neste segundo turno votem pela vida, pela democracia, pela civilização, votem Haddad presidente.

4 Comentários

Arquivado em #Democracia

4 Respostas para “Cartas aos amigos que decidiram votar B.

  1. Ana Paula Brasil

    Bravas! ❤

  2. Marcos Aarão Reis

    Por que diabos essa carta veio parar na minha caixa postal?!!! Fala sério, Hebe Luca…

  3. Letícia de Faria

    Parabéns pelos textos, lúcidos e duroe, poremsem perder a ternura.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s