Pós-Abolição no Mundo Atlântico

É o título do próximo dossiê da Revista Brasileira de História, da Associação Nacional de História (ANPUH).  O número contará com a transcrição em português da entrevista com Eric Foner, que realizamos em março de 2014 e divulgamos aqui no blog.

Reproduzimos abaixo a chamada de artigos. Até 31/1/2015.

O reconhecimento de escravos e libertos como sujeitos históricos acabou por influenciar os estudos sobre o destino dos escravizados e seus descendentes em antigas sociedades escravistas após a abolição legal da escravidão. No Brasil, se a década de 1980 representou um marco para historiografia da escravidão, podemos pensar que os anos 2000 foram decisivos para a historiografia sobre as formas, condições e concepções de liberdade no pós-abolição. A produção de livros, documentários, a realização de eventos nacionais e internacionais e a formação de grupos de pesquisa adjetivados pelos termos “pós-emancipação”  e  “pós-abolição”, de Norte a Sul do país, atestam a emergência de um destacado campo de investigação, comprometido em reconstituir trajetórias, processos e experiências de liberdade da população negra no Brasil e nas Américas após a proibição legal da escravidão.  Em vistas da amplitude do campo, surgem muitas questões. O que significa pensar o pós-abolição como problema histórico? Quais os significados e limites da revogação legal da escravidão nas antigas sociedades escravistas do Atlântico? É possível construir definições precisas sobre o que seria este pós-abolição? Quais os significados da abolição formal da escravidão? Pós-abolição e pós-emancipação são sinônimos ou representam formas distintas de enxergar e pesquisar as experiências de liberdade e os significados legais da abolição da escravidão? Quando começa e quando termina o pós-abolição? Qual o lugar das experiências de tornar-se livre e do abolicionismo do século XIX? Como a politização da memória da escravidão e o estudo do tempo presente contribuem para delimitação dos seus limites cronológicos? De que formas o trabalho com diversas concepções, fontes e metodologias do campo questionam a tese clássica de que os negros teriam ficados “abandonados à própria sorte”, trazendo para o centro da discussão debates relacionados aos direitos de cidadania, mundos do trabalho livre, racialização, racismo, mobilidade social, migrações, relações de gênero, gerações, acesso à terra, educação e movimentos sociais negros e indígenas em abordagens locais, transnacionais ou comparativas? Essas são algumas das indagações que convidamos autoras e autores a se debruçarem nos trabalhos que serão publicado na edição n. 69 no dossiê temático “Pós-abolição no Mundo Atlântico” da Revista Brasileira de História (junho de 2015)

As propostas de artigo devem ser enviadas até 31 de janeiro de 2015 para o endereço eletrônico rbh@anpuh.org, seguindo as orientações gerais e as normas de formatação disponíveis em: http://anpuh.org/conteudo/view?ID_CONTEUDO=58. Não é necessário realizar o envio de cópias impressas ou de mídias contendo os trabalhos.

Captura de Tela 2014-09-15 às 16.13.48

foto de José Medeiros/Acervo Instituto Moreira Salles.

Deixe um comentário

Arquivado em Entrevista, historiografia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s