Arquivo da categoria: Entrevista

“Memórias, silenciamentos e invisibilidades: a reparação como política de outridade” é o tema da próxima mesa do ciclo “Juiz de Fora: cidade negra”, que também celebra o recebimento do 15º Prêmio Amigo do Patrimônio (FUNALFA/2020)

Com grande alegria, registro e agradeço, neste blog, o reconhecimento concedido ao Projeto Juiz de Fora: Cidade negra do LABHOI/UFJF pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Cultural por meio da Fundação Cultural Alfredo Ferreira Lage (Funalfa).

Outorga o 15º Prêmio Amigo do Patrimônio

Eventos Funalfa

Prezadas Profs. Dnd.Giovana Castro e Dra.Hebe Mattos,

o Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Cultural, por meio da Fundação Cultural Alfredo Ferreira Lage (Funalfa), tem o prazer de outorgar ao projeto  Juiz de Fora: Cidade Negra – Centro de Referência sobre a Memória Negra na cidade de Juiz de Fora, o 15º Prêmio Amigo do Patrimônio.

Nesta oportunidade, queremos enaltecer a relevância da ação para a cidade de Juiz de Fora, que teve suas linhas escritas e reforçadas por uma historiografia predominantemente branca. O trabalho desenvolvido e executado no âmbito do Laboratório de História Oral e Imagem – LABHOI da UFJF, certamente trará contribuições importantes através das pesquisas, depoimentos e toda documentação sobre memórias negras invisibilizadas nas narrativas oficiais da cidade. Além disso, é fundamental a divulgação do banco de dados sobre as memórias da população negra de Juiz de Fora para a preservação da memória de seu povo, que é subsídio para a criação de laços afetivos com nosso patrimônio cultural.

O resultado da premiação foi divulgado em 30 de setembro de 2020 no portal pjf

Informamos que em decorrência da pandemia, não há previsão para a tradicional cerimônia de entrega das placas. Por essa razão, encaminhamos anexo Certificado que comprova e os reconhece como contemplados com a premiação e solicitamos confirmação do recebimento.

Atenciosamente,

Carine Silva Muguet/ TNS – Historiadora/Ms. História Social – UFRJ/ Supervisora de Pesquisa, Memória e Educação Patrimonial/ SPMEP/DIPAC /FUNALFA/ Juiz de Fora (MG)

A ação é organizada pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Cultural (Comppac), com apoio da Fundação Cultural “Alfredo Ferreira Lage” (Funalfa), por meio da Divisão de Patrimônio Cultural (Dipac) e acontece desde 2006, com objetivo de contemplar iniciativas de pessoas físicas e jurídicas, de direito público ou privado, que tenham praticado ações para conservação, preservação, defesa ou divulgação do patrimônio cultural de Juiz de Fora, além de atividades educativas que visem difundir conceitos que auxiliem na compreensão da importância do patrimônio cultural. A indicação é feita por meio de formulário aberto à comunidade, no qual devem ser apresentadas as justificativas que embasem a premiação e são analisadas por uma comissão indicada pelo Comppac.

Para celebrar a conquista, a próxima sessão do nosso ciclo de debates, com o título Memórias, silenciamentos e invisibilidades: a reparaçao como politica de outridade acontecerá no próximo dia 27 de outubro, às 17:30, no Canal LABHOI/UFJF, no youtube.

Nas palavras de Giovana Castro, que fará a mediação da mesa, citando Grada Kilomba e Lelia Gonzales:

Para descolonizar o conhecimento, temos que entender que todos/as nós falamos de tempos e de lugares específicos, a partir de realidades e histórias específicas. Não existem discursos neutros. (…). Descolonizar o conhecimento significa criar novas configurações de conhecimento e de poder. (KILOMBA, 2016, p. 7–8).

Nesse sentido, é necessário que descolonizemos todo o conhecimento e informação que já recebemos sobre o período escravocrata até o presente momento, pois estaremos falando de um lado da moeda que, ao longo da historiografia, [foi] negligenciado. Estaremos falando a partir da subalternidade, da construção do Outro. Assumimos aqui, então, neste texto, o risco de falar com todas as implicações (GONZALES, 1984, p. 225). 

“Dando continuidade ao debate sobre as construções de subjetividades na cidade, abrimos espaço agora para uma necessária reflexão sobre a narrativa historiográfica e suas interfaces com passados sensíveis e políticas de reparação, para que possamos ambicionar o aprofundamento de memórias coletivas, sob a chancela da escuta do outro enquanto parte dessa teia de poderes, para além da cristalização da sua subjetividade.”

O painel contará com a participação das representantes da FUNALFA Fernanda Amaral, supervisora do Programa Cultural Murilo Mendes e Carine Silva Muguet, supervisora de Pesquisa, Memória e Educação Patrimonial.

Elione Guimarães, pioneira nos estudos do pós-abolição em Minas Gerais e diretora de pesquisa do Arquivo Histórico de Juiz de Fora, juntamente com Raquel Pereira Francisco, professora de história da rede municipal de ensino, ambas doutoras pela UFF e Luan Pedretti, mestrando em Educação/UFJF, integrante do Coletivo Negro Resistência Viva e da Frente Preta da UFJF completam o time de intervenções/depoimentos sobre silenciamentos e políticas de reparação para a memória negra da cidade.

Seguindo a lógica que estrutura o ciclo de debate, para finalizar, eu mesma e Mônica Lima, historiadoras do BLOG, fecharemos os debates relacionando a experiência local com as discussões globais sobre monumentos e memórias sensíveis a que temos nos dedicado nos últimos anos.

Aproveito mais uma vez para agradecer a Giovana Castro, bem como à toda a equipe de bolsistas, pela excelência do trabalho que vem sendo desenvolvido.

Deixe um comentário

Arquivado em antiracismo, cultura negra, Entrevista, história e memória, história pública, historiografia, politicas de reparação, Pos-abolição

#ForaTemer #DiretasJá

Nesta segunda feira, o Conversa de Historiadoras registra a sequência de áudios comprometedores do Presidente ilegítimo Michel Temer.  É uma forma de documentar, também aqui no blog, a dupla intenção do golpe de 2016, prestes a entrar em nova fase: “estancar a sangria” na classe política imposta pelas investigações de corrupção e implementar o programa derrotado nas urnas.  

http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/05/1774018-em-dialogos-gravados-juca-fala-em-pacto-para-deter-avanco-da-lava-jato.shtml

Temer fala sobre a atuação de Cunha no Impeachment

Liberado áudio de Temer e dono da JBS – completo 

Divulgamos, também, o roteiro da participação do ilegítimo no impeachment fraudulento, de acordo com a Presidente eleita Dilma Rousseff, em matéria do site Viomundo: 

http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/relendo-dilma-depois-da-delacao-de-joesley-que-comprou-a-eleicao-de-eduardo-cunha.html

Por fim, convidamos todos a conferir, hoje a noite, o programa Espelho. Lázaro Ramos entrevista Giovana Xavier. Imperdível!

Screen Shot 2017-05-22 at 11.23.21

E a ir às ruas conosco pedindo #DiretasJá.

Screen Shot 2017-05-22 at 00.14.07

Deixe um comentário

Arquivado em Entrevista

Pós-Abolição no Mundo Atlântico

É o título do próximo dossiê da Revista Brasileira de História, da Associação Nacional de História (ANPUH).  O número contará com a transcrição em português da entrevista com Eric Foner, que realizamos em março de 2014 e divulgamos aqui no blog.

Reproduzimos abaixo a chamada de artigos. Até 31/1/2015.

O reconhecimento de escravos e libertos como sujeitos históricos acabou por influenciar os estudos sobre o destino dos escravizados e seus descendentes em antigas sociedades escravistas após a abolição legal da escravidão. No Brasil, se a década de 1980 representou um marco para historiografia da escravidão, podemos pensar que os anos 2000 foram decisivos para a historiografia sobre as formas, condições e concepções de liberdade no pós-abolição. A produção de livros, documentários, a realização de eventos nacionais e internacionais e a formação de grupos de pesquisa adjetivados pelos termos “pós-emancipação”  e  “pós-abolição”, de Norte a Sul do país, atestam a emergência de um destacado campo de investigação, comprometido em reconstituir trajetórias, processos e experiências de liberdade da população negra no Brasil e nas Américas após a proibição legal da escravidão.  Em vistas da amplitude do campo, surgem muitas questões. O que significa pensar o pós-abolição como problema histórico? Quais os significados e limites da revogação legal da escravidão nas antigas sociedades escravistas do Atlântico? É possível construir definições precisas sobre o que seria este pós-abolição? Quais os significados da abolição formal da escravidão? Pós-abolição e pós-emancipação são sinônimos ou representam formas distintas de enxergar e pesquisar as experiências de liberdade e os significados legais da abolição da escravidão? Quando começa e quando termina o pós-abolição? Qual o lugar das experiências de tornar-se livre e do abolicionismo do século XIX? Como a politização da memória da escravidão e o estudo do tempo presente contribuem para delimitação dos seus limites cronológicos? De que formas o trabalho com diversas concepções, fontes e metodologias do campo questionam a tese clássica de que os negros teriam ficados “abandonados à própria sorte”, trazendo para o centro da discussão debates relacionados aos direitos de cidadania, mundos do trabalho livre, racialização, racismo, mobilidade social, migrações, relações de gênero, gerações, acesso à terra, educação e movimentos sociais negros e indígenas em abordagens locais, transnacionais ou comparativas? Essas são algumas das indagações que convidamos autoras e autores a se debruçarem nos trabalhos que serão publicado na edição n. 69 no dossiê temático “Pós-abolição no Mundo Atlântico” da Revista Brasileira de História (junho de 2015)

As propostas de artigo devem ser enviadas até 31 de janeiro de 2015 para o endereço eletrônico rbh@anpuh.org, seguindo as orientações gerais e as normas de formatação disponíveis em: http://anpuh.org/conteudo/view?ID_CONTEUDO=58. Não é necessário realizar o envio de cópias impressas ou de mídias contendo os trabalhos.

Captura de Tela 2014-09-15 às 16.13.48

foto de José Medeiros/Acervo Instituto Moreira Salles.

Deixe um comentário

Arquivado em Entrevista, historiografia

“Sessão Nostalgia”

Tentamos marcar nosso papo para discutir sobre o post da semana. Mas as vezes a agenda aperta e impõe limites a duas mãezonas em pleno segundo domingo de maio. Ainda assim, em rápidos e-mails, mais uma vez nos demos conta da longa estrada das nossas conversas de historiadoras.

RESGATE_capa

Colocamos na biblioteca do blog esta semana, o pdf do livro Resgate. Uma Janela para o Oitocentos, de 1995, um dos livros pioneiros utilizando a micro-história como método para o estudo da história social da escravidão e da abolição no Brasil, organizado por Hebe e Eduardo Schnoor. Além da Martha, o livro reuniu toda a então chamada escola do Rio sobre a escravidão oitocentista, formada por historiadores da UFF e da UFRJ (Ana Lugão Rios, Sheila Faria, João Fragoso, Manolo Florentino,  José Roberto Goes, Ana Maria Mauad).  Com o pdf, entre muitos outros textos que valem a pena ler de novo, vocês podem ter acesso ao texto de Martha, O Caso do Bracuí, que tão fortemente dialoga com o nosso último filme Passados Presentes e a memória do tráfico ilegal de africanos em terras do atual Quilombo do Bracuí.

Também esta semana, o blog Terça com Tobias divulgou a entrevista que o grupo de jovens historiadores de Recife fez com Hebe, quando do final da sua estada como Professora Visitante da UFPE em julho de 2013. Vale a pena acompanhar o belo trabalho de edição, feito pelos entrevistadores, na viagem historiográfica através da memória que eles incitaram a entrevistada a fazer. Na versão do youtube, os capítulos temáticos da longa entrevista podem ser acessados separadamente. Nossas conversas estão lá, entre muitas outras, registradas com afeto pelo crivo da memória.

Por fim, de volta para o futuro, registramos o lançamento do blog do GT Emancipações e Pós-Abolição da Associação Nacional de história, que ajudamos a criar no encontro nacional da ANPUH de 2013, dirigido pelas historiadoras Wlamyra Albuquerque e Giovana Xavier.  E aproveitamos para divulgar o blog do nosso grupo de pesquisa na UFF, o Cultura Negra no Atlântico (CULTNA), filiado ao GT.

Com a imagem da saudosa Mãe Ferina (D. Zeferina), do Quilombo São José, desejamos a tod@s, um Feliz dia das Mães!

Image

1 comentário

Arquivado em Entrevista, história e memória, historiografia