Arquivo da categoria: cultura negra

Uma festa que não termina e uma tese que virou filme!!!

Final de maio, interior de Minas Gerais, Piedade do Rio Grande.  Foi lá que participei da festa de Congada e Moçambique em homenagem a Nossa Senhora do Rosário, Nossa Senhora das Mercês e São Benedito.

Como festeira e historiadora das festas, preciso confessar que ainda aprendi muito com os congadeiros e moçambiqueiros de Piedade.  Primeiramente, com a energia desse povo que não quer esquecer o passado. Mais ainda, por escolherem uma festa com santo católico negro e duas nossas senhoras brancas  (uma associada à liberdade e outra à valorização do povo negro)  para contar, com muito orgulho e garra, sua história em cantos, movimentos, guizos, sanfonas, tambores, pandeiros e orações.

Uma história que, se começou nos tempos do cativeiro, teve um evento fundador na década de 1920, com a criação da Associação congadeira como entidade civil. Era a luta pelo direito de fazer sua própria festa, em plena Primeira República, mesmo com tantas proibições e impedimentos, como tão bem mostrou Livia Monteiro, em sua tese de doutorado defendida na UFF, em 2016. Orgulho e luta pela cidadania sempre caminharam juntos nessa festa.

A festa dura 3 dias!!! Três dias inteiros que te envolvem com sons, procissões, missas, danças, encontros, abraços, sorrisos e lágrimas. Um dia para cada santo.  Na sexta feira, são Benedito é saudado com “viva que viva”’; no sábado, os congadeiros cantam “vamos festejar a fogueira da senhora das mercês”, e no domingo, a queridíssima nossa senhora do Rosário é levada pelos moçambiqueiros – que a resgataram da gruta, mito fundador da festa – e cantam “nossa senhora do Rosário, ela não falava, no dia 13 de maio ela deu sua palavra”. Em qualquer lugar da cidade, podemos ouvir os movimentos e deslocamentos  dos festeiros e participar de suas celebrações.

Os 3 dias de festa me fizeram pensar muito neste longo tempo festivo. Sem dúvida, eles te permitem mergulhar inteiramente na lógica da festa e da celebração. E te permitem reviver, com muita intensidade, momentos dramáticos da história da comunidade.

Entrar na igreja com os cantos e instrumentos negros, era algo proibido. Nos três dias de festa fazemos isso, ao lado dos congadeiros, algumas vezes, ora na igreja Matriz, ora na igreja de nossa senhora do Rosário. Nesse momento  mágico, com os sons dos congadeiros invadindo as igrejas e nossos corações ouvimos os cantos “oh senhor padre abre a porta, que eu também quero entrar, quero ouvir a santa missa que o senhor vai celebrar. O senhor ia a igreja, era os pretos que levava, o senhor entrava pra dentro, preto cá fora ficava” e sentimos o poder dos festeiros de ocupar todos os espaços possíveis – certamente não apenas dentro da igreja. E a sensação se repete, mais de uma vez, no outro dia…  Com as imagens dos santos nos seus ombros, amparados com muitas flores, também temos a sensação, como teria dito outro historiador, que aqui até os santos e nossas senhoras dançam no ritmo afro-brasileiro.

Outro exemplo emblemático é quando os congadeiros tornam-se moçambiqueiros. Às roupas brancas e fitas coloridas cruzadas no peito, juntam-se os paus e os guizos nos pés. O som produzido pelos guizos e os movimentos dos corpos com os paus nos transportam a outro tempo, um tempo que pode ser associado ao da conquista da liberdade, em algum momento do passado e futuro. O movimento é outro. Sem dúvida, mais guerreiro, como destaca Livia Monteiro, e mais afirmativo. Mas são os mesmos congadeiros, agora  contando outras histórias e cantando ao som da liberdade seus cânticos.

Infelizmente, não pude ficar para o último dia da festa, tinha que voltar ao tempo cronológico. Entretanto, se a festa acabou em Piedade, tenho certeza que ela não acabou em nossos corações. Se eu carrego a festa até hoje, posso  imaginar que com os congadeiros não seja muito diferente. A festa de maio de 2017 deve continuar presente até a de 2018. Deve continuar fortalecendo suas lutas cotidianas e seus desafios de construção de uma sociedade realmente igualitária e justa. A festa torna-se  um alimento para o fortalecimento de suas bandeiras e sonhos.

Certamente nem todos esses sonhos se realizam. E certamente não por culpa da festa. Mas a transformação é visível quando tomamos conhecimento que já existem congadeiros na universidade. Alguns fazendo História na Universidade Federal de São João del Rei  e alunos de Silvia Brugger! A presença de muitos jovens e crianças nas apresentações também anima a todos e nos traz a certeza que estão aprendendo  com os mais velhos a sua história e as possibilidades de novos caminhos.

Nesta festa de 2017 tivemos ainda o lançamento do filme Dos Grilhões aos Guizos: festa de maio e as narrativas do passado.  Fruto da tese de Livia Monteiro, em parceria com Natalia Ferracilli, na direção, e  Renato Oliveira, na fotografia e montagem, o filme foi projetado num enorme telão em praça pública. Alegria geral! Grande festa!

20170526_212435

Para mais informações sobre o documentário, acesse, curta e entre em contato através da página no Facebook: https://www.facebook.com/DosGrilhoesAosGuizos/

A Festa de Maio de 2017 marcou também o início das comemorações dos 90 anos de fundação da Associação de Congada e os congadeiros em sua página oficial no Facebook consideraram que “foi a Festa da Coroação” e agradeceram a todos que ajudaram a fazer dessa “a maior e mais emocionante Festa da Congada e Moçambique dos últimos anos”.

Como dizem os congadeiros, até o ano que vem! Se Deus permitir!

20170527_104742

20170527_11121620170527_162808

2 Comentários

Arquivado em cultura negra

Lima Barreto, Hilton Cobra e as muitas vidas que vão além da morte

A matéria-prima da literatura, sem muita possibilidade de fuga, é a vida, seja a vivida diretamente por quem escreve, as que se dão a observar ou ainda as cabíveis na imaginação. Como, então, o registro das vivências com as quais um/a escritor/a trabalha literariamente pode ser prejudicial ao bom resultado de seus escritos? O problema estaria no que vem fraturado na origem ou no que é fraturado pelo contato, pela recepção? Em que termos e quando se estabelece o desencontro entre o/a autor/a, sua obra e o mundo no qual ambos buscaram e buscam existir?

Afonso Henriques de Lima Barreto, nasceu negro, livre, filho de pais também negros e livres, no Rio de Janeiro, em 13 de maio de 1881. Ao longo de quatro décadas, fez-se homem numa cidade que se expandia de modo intenso e desigual, e ousou acreditar que ele e o que tinha a dizer mereciam ser considerados. Ousadia não porque vivesse numa sociedade em que, de antemão, as pessoas não pudessem falar. A lei maior republicana defendia a valorização dos talentos e virtudes de seus cidadãos, tal como fizera a carta magna imperial… Brasileiro, não sendo mendigo, analfabeto, mulher ou militar de baixa patente (e olhe lá), qualquer indivíduo estaria apto a exercer até mesmo o direito ao voto.

Lima Barreto

Lima Barreto, 1909.

Ironias à parte, a ousadia começava quando, no trato cotidiano, a conversa se fazia outra. O país de Lima Barreto fora fundado na escravidão de africanos e seus descendentes, onde as possibilidades de liberdade e cidadania para essas pessoas se construíram em paralelo a crenças e costumes que as reivindicavam como incompatíveis e faltas de habilidades à condição de sujeitos autônomos. Ser humano convicto, Lima fez-se, pois, um atrevido incorrigível, que insistia em se incomodar com o “sentimento geral da [sua] inferioridade [ser] decretada a priori (Recordações do Escrivão Isaías Caminha), com o fato de “a capacidade mental dos negros [ser] sempre discutida a priori e a dos brancos, a posteriori” (Diário Íntimo).

Morreu, em 1922, na véspera do dia de finados, deixando o legado de uma vida que resultou em romances, contos, crônicas e mais um tanto de papeis escritos com objetivos diversos, nos quais, de modo natural ou intencional, deu vazão ao que Lélia Gonzalez chamaria tempos depois de “pretuguês”, produto de vidas que promoveram a africanização do português falado no Brasil. A despeito de interdições constantes, que atingiram até mesmo seu direito de andar nas ruas de sua cidade, interagiu com o mundo e criou personagens, diálogos, cenas que pareceram cruas e indigestas demais ao paladar dos adversários/críticos autorizados a dar a medida da sua obra e da sua própria pessoa. É que sua literatura força a presença de homens e mulheres negras e outros indesejados no primeiro plano, num momento de esforço concentrado para entendê-los como parte de um passado em vias de esquecimento e desaparição.

Não por acaso, ao longo de décadas, palavras como ressentimento, mágoa, isolamento, excentricidade, inadequação, estranheza, recalque e impotência se tornaram recorrentes nas mais diversas oportunidades para se falar a seu respeito e de tudo a ele relacionado. Difícil não construir a partir daí a imagem do fracasso ou quando muito de um sucesso trágico, com o qual não cabe estabelecer identificação positiva. Apresentado como sujeito desconectado do que seria a postura pressuposta e regular a outros “homens de cor” mais velhos e da sua geração, a Lima Barreto caberia o lugar de pária, exemplo incomum e inadequado de alguém que teria forçado a barra para falar de um racismo entranhado no paraíso da mestiçagem. Eis as linhas gerais de como se promover a fratura de uma pessoa, de um escritor e de uma obra.

Traga-me a cabeça de Lima Barreto, monólogo interpretado por Hilton Cobra, chega aos palcos, neste conturbado 2017, como um exercício de cura compartilhada com o público, no qual somos convidadas/os a ver o escritor negro como protagonista de um acerto de contas com o passado que cria novas possibilidades de futuro. “E quantas mortes existam, muitas, nelas eu viverei. Pois se em vida me submeti às mais sórdidas humilhações, em morte não cederei” – diz o personagem Lima Barreto, antes do início do seu confronto com as sete teses fundamentais defendidas por um grupo de eugenistas que requerem a exumação de seu corpo, a fim de examinar o cérebro desse homem que deveria ser geneticamente incapaz de produzir intelectualmente bem, porque não representante de uma raça tida como superior.

Traga-me 1

Hilton Cobra, em Traga-me a cabeça de Lima Barreto, 2017. Foto: Valmyr Ferreira.

Ao longo de uma hora, temos assim o prazer de assistir à comissão formada por vivos e mortos da estirpe de Renato Kehl, Nina Rodrigues, Afrânio Peixoto, Fernando Azevedo, Gobineau e Monteiro Lobato ser contestada por um Lima Barreto que, a despeito de carregar suas dores, não se constrange ou se intimida mesmo diante de recorrentes tentativas de uso da autoridade dos renomados homens de ciência para controlá-lo e silenciá-lo. Em vez disso, é seu desejo de falar que orienta o tempo, o que é aproveitado para que possa até mesmo dialogar consigo mesmo, com sua ancestralidade, seus fantasmas, afetos e desafetos íntimos.

Sob a direção de Fernanda Júlia, diretora do Nata − Núcleo Afro-Brasileiro de Teatro de Alagoinhas e com texto assinado pelo experiente dramaturgo Luiz Marfuz, o espetáculo marca os 40 anos de vida artística e profissional de Cobra e é dedicado à “bem lembrada” Luiza Bairros, mulher que o “fez negro e a partir daí participou de forma decisiva de todas as etapas da [sua] vida”. Ele que é o fundador da Cia dos Comuns (2001); criador do Fórum de Performance Negra (2005) e do Festival Olonadé – A Cena Negra Brasileira (2010); e articulador do movimento Akoben – Por uma política cultural honesta (2012), ações catalizadoras do teatro negro nas últimas décadas.

Tal como a literatura de Lima, o teatro de Hilton Cobra é militante. Negrator, este. Negritor, aquele. Juntos, tornam-se uma presença arrebatadora! Ao se encontrarem no palco, celebram as vidas, as muitas, insistentes e desabusadas vidas negras, tal como debocha Lima em Cobra: “Em 1923, um político brasileiro, cujo nome não convém lembrar, afirmou que, na fusão de duas raças, venceria sempre a superior. E que, por isso, no Brasil, o negro desapareceria dentro de setenta anos. Bem, já lá se vão quase cem. E nós continuamos aqui. De plantão. Calados ou indignados, ressentidos ou revoltados, derrotados ou bem-sucedidos e, mais do que bem-nascidos, seremos sempre muito bem-lembrados”.

A primeira temporada da peça esteve em cartaz até hoje, dia 7 de maio, no Teatro Sesc Copacabana, no Rio Janeiro. Eu, que vi as duas últimas apresentações, saí com a sensação de que muito mais gente teria e merecia dizer sobre sua interação com o espetáculo, que não termina quando as luzes se apagam. Há rumores de que logo, logo estará de volta e que, se fizermos a nossa parte como público, a fúria transformadora do “pretiço barreto escritor” pode ir muito além da capital carioca.

4 Comentários

Arquivado em antiracismo, cultura negra, história e memória, história pública, Pos-abolição, Uncategorized

“Essa história é o presente”

Hoje, 23 de abril, se festejou São Jorge em diferentes partes do Brasil, mas no Rio de Janeiro tal celebração, como sempre, assumiu especial importância. Desde a meia-noite se escutaram fogos e vivas por diversos cantos da cidade e muitos admiradores e fiéis do santo se juntaram para aguardar a alvorada em frente aos templos católicos que a ele são dedicados. Durante o dia, a sua imagem circulou por ruas da cidade em cortejo.

RiodeJaneiro_23deabril_FotodeFernandaCrespo

Rio de Janeiro, bairro do Estácio, 23 de abril de 2017. Foto de Fernanda Crespo.

Em terreiros os tambores tocaram para Ogun, orixá trazido das terras iorubanas da África pelos escravizados e que aqui foi identificado com o guerreiro católico. Conta a história que Jorge, guerreiro nascido na Turquia, com trajetória de muitas bravuras, recusou a obedecer a ordem do Imperador romano Diocleciano e por isso foi condenado. Ogun, em sua origem protetor da agricultura, guardião da forja e patrono dos ofícios manuais, na diáspora africana no Brasil passou a ser representado carregando a espada com a qual é reconhecido como o vencedor das demandas. Dois, mas para muitos, um só.

saojorge-ogum

É verdade que o santo católico do dia é reivindicado como patrono pelas forças da repressão assim como pelos seus combatentes. Mas, nessa noite, nas ruas da cidade dos cariocas, sobretudo nas esquinas do centro velho e do subúrbio e nas comunidades, sobressai sua face de aguerrido defensor dos desfavorecidos. E é dessa face que eu me lembro quando não consigo esquecer a condenação do jovem Rafael Braga.

Libertem_RafaelBraga

E vem também à mente história de Ana Liz. E me recordo dos rostos negros na galeria dos condenados da Casa de Correção do Rio de Janeiro no século dezenove – rico e emocionante acervo de imagens e histórias disponível na Biblioteca Nacional. .

Domingos_liberto

Junto a essas imagens me chegam também à memória os anúncios de fuga de escravizados nos jornais da cidade na mesma época, trazendo a descrição por vezes detalhada da aparência com a indicação de marcas corporais que assinalavam o sofrimento daquelas pessoas – em sua maioria jovens, muitas ainda crianças.

 

Nesse momento, chega forte a frase de James Baldwin no “Eu não sou seu negro”, excelente documentário sobre a história de luta por direitos dos negros estadunidenses: “a história não é o passado. Essa história é o presente”. Assim como é presente o racismo na nossa sociedade, que não foi revogado com a legislação que aboliu a escravatura nem mesmo com os avanços da Constituição Federal que o reconheceu como crime inafiançável e imprescritível.

Na alvorada de Jorge e Ogun, o que se pode pedir é outra justiça. Essa é a demanda de nossos dias em que crianças e jovens negros continuam morrendo a cada poucos minutos, como registram as estatísticas oficiais assustadoras. É uma demanda forte no nosso país, cujo povo tem todas as razões para duvidar daqueles que foram encarregados da criação, aplicação e ponderação das leis. Que venham outros santos e orixás para ajudar e fortalecer, serão muito necessários porque a luta é grande, e há muitas frentes. Como diz a letra da linda canção de Moacyr Luz, Medalha de São Jorge: “a malvadeza desse mundo é grande em extensão”. Mas, que principalmente possamos nos fortalecer – nós, nesse plano terrenal, juntos, contra essa maldade toda, tão forte e tão antiga.

Está chegando o dia 28 de abril, data da greve geral nacional, convocada para lutarmos contra a perda de nossos direitos, e contra as reformas pretendidas pelo governo – que só viriam a aprofundar a exclusão e a injustiça. Será um momento para que tudo isso possa ser dito em alto e bom som. E que se diga e se repita até lá. Não podemos, nem vamos esquecer. E a perseverança vai ganhar do sórdido, como também disse outra canção feita pra Jorge, lindamente interpretada pelo Soul de Brasileiro.

2 Comentários

Arquivado em antiracismo, cultura negra, história e memória, história pública

Samba na universidade

No dia 21 de março passado, no Salão Nobre do prédio histórico da UFRJ no Largo de São Francisco de Paula número 1, centro do Rio de Janeiro, o compositor, escritor e intelectual Martinho da Vila ministrava a aula magna de início de semestre do Instituto de História da Universidade Federal do Rio de Janeiro. A sala estava lotada, não havia lugar nem no chão, todos os espaços foram tomados por estudantes, professores e funcionários e pelo público externo que compareceu ao evento acadêmico. Na sua fala, Martinho trouxe ideias sobre a importância da universidade e sobre o racismo. Sua presença nesse dia também fazia referência à data da aula magna – quando se celebra um dia de luta e de dor na história da população negra no mundo.

martinho1

Martinho da Vila ministrando aula magna no Instituto de História da UFRJ

martinho2.jpg

Aula inaugural de Martinho da Vila no Instituto de História da UFRJ

Em 21 de março de 1960, no bairro de Shaperville, na cidade de Joanesburgo, na África do Sul, aproximadamente vinte mil pessoas protestavam contra a lei do passe que passaria a obrigar a população negra do país a carregar um documento que permitiria a minoria branca no poder ter maior controle sobre a sua movimentação. O protesto pacífico, de absoluta maioria negra, com muitos estudantes jovens, foi reprimido com truculência pelas tropas do governo sul-africano, levando à morte sessenta e nove pessoas e ferindo outras cento e sessenta e nove. Essa ação violenta do regime racista do apartheid, que ficou conhecida como Massacre de Shaperville causou grande comoção local e também no mundo, levando a que a Organização das Nações Unidas passasse a estabelecer a data como Dia Internacional de Luta pela Eliminação da Discriminação Racial.

massacre shaperville

Massacre de Shaperville, África do Sul

A presença do sambista em local de destaque e reconhecimento acadêmico nesse dia em especial teve relação não apenas com o significado dessa data, mas também com as mudanças pelas quais as universidades brasileiras vêm passando. Nos últimos anos, principalmente em função das ações afirmativas implantadas no acesso de alunos às universidades públicas, tem havido sensível alteração no perfil dos estudantes de graduação e pós-graduação. E, acompanhando essa transformação, tem crescido o ativismo negro e ampliado os espaços de debate sobre temas que são trazidos pelas demandas desses grupos. A aula magna de Martinho da Vila no IH-UFRJ, além de fazer parte do calendário acadêmico oficial, esteve também vinculada a uma série de eventos incluídos na campanha denominada 21 dias de ativismo contra o racismo, iniciativa inédita de diversos grupos e instituições desenvolvida em diferentes espaços do Rio de Janeiro durante o mês de março, para discutir e visibilizar diversas frentes de luta contra a discriminação racial. O resultado dessas inúmeras iniciativas e encontros tendo como foco a luta contra o racismo terá sua atividade de encerramento amanhã, segunda-feira, dia 27 de março, numa atividade na UERJ, marcando com a militância o espaço dessa universidade que, sendo pioneira na adoção de políticas de ação afirmativa e com reconhecido mérito acadêmico em diversas áreas do conhecimento, vem sofrendo um gravíssimo processo de desmonte por parte do governo estadual.

21dias_encerramento

21 dias de ativismo contra o racismo: encerramento

Martinho da Vila atualmente frequenta o curso de Relações Internacionais numa universidade privada, iniciativa que teve a partir de sua nomeação como embaixador da ONU junto aos países de língua portuguesa, e fez público seu entusiasmo e interesse sobre o que vem aprendendo. Citou inclusive um de seus professores mais admirados, o antropólogo Jacques D’Adesky, que estava presente. A aula magna de Martinho da Vila e o que disse sobre a luta contra o racismo fez lembrar a linda letra do samba de Candeia, Dia de Graça, que diz: “E cante o samba na universidade. E verás que seu filho será príncipe de verdade. Aí então jamais tu voltarás ao barracão. ” Certamente não se pode tomar a poesia ao pé da letra, a luta para não voltar ao barracão ainda se revela longa. Mas, sem dúvida, a entrada de mais estudantes negros e pobres na universidade contribui decisivamente para a desconstrução de formas de pensar o mundo e a história e, sobretudo, de agir frente a ela. A academia se beneficia, e mais ainda a sociedade. O dia de graça é um dia como foi esse mesmo, e de outras formas de escuta e diálogo que devem vir.

Dia de Graça, samba de Candeia

Considerar a presença de novos sujeitos no campo acadêmico relaciona-se diretamente com luta contra o racismo e também com a necessidade de um compromisso permanente com a defesa da história e da memória das populações que foram longamente silenciadas. Isso traz à preocupação preservar e valorizar lugares de memória da população africana, como o Cemitério de Pretos Novos, na zona portuária da cidade do Rio de Janeiro. Trata-se muito provavelmente do mais importante campo santo de inumação de africanos recém-chegados às Américas em toda a diáspora africana no continente. Hoje, o local que vem sendo à duras penas conservado e aberto à visitação e pesquisa, está ameaçado por falta de apoio mínimo para seu custeio. Nossos ancestrais, que sobreviveram à travessia, mas não à vida como cativos recentemente desembarcados, exigem nossa atuação para que a materialidade de sua história continue a ser objeto de estudo e conhecimento. O Instituto de Pretos Novos resiste, e não está sozinho.

#IPNresiste

Durante sua fala, Martinho da Vila também cantou e fez cantar a letra de outro samba, de Dona Ivone Lara, Sorriso Negro, e chamou a atenção para a frase “Negro sem emprego, fica sem sossego...”, contextualizando as consequências desses difíceis dias que a sociedade brasileira vem passando, com a presente ameaça aos direitos conquistados em anos de luta e frente às reformas que atingem especialmente os trabalhadores. Em diversos momentos recorreu à poesia de sambas para trazer à plateia suas reflexões. Nessa ocasião de aprendizagem memorável, mostrou uma vez mais que essas e outras produções culturais negras e populares têm muito a dizer na academia. Celebramos um dia de luta nos encantando com a inteligência e a elegância do intelectual sambista, conscientes da importância de nos mantermos juntos e firmes para os novos embates.

2 Comentários

Arquivado em #Instiuto dos Pretos Novos, antiracismo, cultura negra, história pública

O Carnaval do #ForaTemer

Fechamos 2016 sem fazer retrospectiva e começamos 2017 sem os votos de praxe, mas o primeiro post coletivo do ano teve a força de fazer as duas coisas ainda que de forma indireta. O “conversa de historiadoras” abriu o ano apoiando a anticandidatura de Beatriz Vargas ao Supremo Tribunal Federal e antecipando o #Fora Temer que explodiu no carnaval em grande estilo e por todo o país (clique na figura para ver o víde0).

screen-shot-2017-03-04-at-13-11-33

Screen Shot 2017-03-07 at 10.34.39

O #ForaTemer foi notícia até na Globo, o que pode indicar eleição indireta no horizonte e uma possível segunda fase do golpe, já que o #DiretasJá não teve o mesmo sucesso. De todo modo, carnaval sempre foi política. Em Salvador, os foliões gritaram #ForaTemer e se opuseram com criatividade à violência policial às manifestações populares, velho problema que se tornou mais agudo nos últimos meses. As redes sociais amplificaram os significados da força do protesto coletivo em forma de riso.

screen-shot-2017-03-05-at-09-48-20

Quem foi ao Mulheres de Chico ontem, na Pedra do Leme, no Rio de Janeiro, não tem dúvida: de um jeito ou de outro,  amanhã vai ser outro dia.

Nos desfiles das escolas de samba, sobretudo no Rio, os graves acidentes com carros alegóricos trouxeram, com razão, muita energia para a discussão (antiga) sobre os problemas que a espetacularização midiática e o caráter de festa oficial do carnaval da Sapucaí podem representar.

Vale a pena, porém, colocar as lentes também no outro lado da moeda: a potencialidade criativa e de inovação que o encontro entre energia comunitária e indústria cultural pode produzir.

O desfile da Unidos da Tijuca foi lugar de um dos tristes acidentes. Um daqueles casos em que o show, simplesmente, não devia continuar.

Ainda assim, o enredo sobre o encontro de Pixinguinha e Louis Amstrong, celebrando a força cultural do Atlântico Negro não passou em branco. O desfile tornou conhecido do grande público um encontro cuja repercussão esteve, até então, reduzida a trabalhos intelectuais do campo da história e dos estudos culturais.

Pena que a cegueira seletiva da Rede Globo, que continua a monopolizar a transmissão pela TV, e  o desconhecimento sobre os enredos e a história das escolas de boa parte dos comentaristas, não permitam amplificar ainda mais a importância da mensagem.  Também o impactante navio negreiro na abertura da Vila Isabel e seu enredo sobre o som da cor,  cantando as dores da diáspora africana e, mais uma vez, a força da música negra no Atlântico, quase não foram mencionados pela cobertura, que só enfatizou as falhas técnicas do desfile… que preguiça.

navio-negreiro-vila-isabel

A diáspora banto nas Américas foi cantada também pela União da Ilha, com enredo lembrando Macurá Dilé, o tempo que teve início, mas não tem fim, tradição do candomblé Angola. Foi uma aula em plena festa!  Vale ainda destacar a presença na Imperatriz de caciques vindos do Xingu. A verde e branco da Leopoldina não poupou críticas aos inimigos das terras indígenas!

xingu-imperatriz-facebook_01

Se os carros alegóricos foram o grande problema, a visão dos meninos da Mangueira empurrando o carro de São Jorge com animação e euforia dá bem conta do que as imagens da TV continuam a não mostrar. A cena foi filmada por Lívia Monteiro,  historiadora da congada mineira, em sua primeira vez na Sapucaí, completamente emocionada pela experiência.

Aliás, como escreveu Martha em sua conta no facebook, em mensagem em grande parte incorporada neste post, o desfile da Mangueira foi irresistível.  As imagens de Cristo, dividindo um carro com Oxalá, a força de São Jorge e do Divino, e a porta bandeira Debora Oliveira, vestida de azul e dourado, incorporando Nossa Senhora Aparecida, são mesmo inesquecíveis. Em tempo de fortalecimento de tantas intolerâncias, entre elas o veto do Cristo no desfile das campeãs,  a Mangueira mostrou o quanto a “ajuda do santo” faz parte de nossa história.

O carnaval terminou com festa em Madureira, um dos berços do samba, com a dupla vitória de Portela e Império Serrano!

Ainda no clima da festa, pedindo #ForaTemer e #DiretasJá,  o “conversa de historiadoras”  pede passagem e começa oficialmente o ano de 2017.

Mangueira! Rogai por nós!!

16991566_810832055735038_7755998510718080123_o-116999197_810832195735024_3563777656928781227_n-1Screen Shot 2017-03-07 at 10.26.05

Deixe um comentário

Arquivado em cultura negra

Ocupar e Resistir: Conquista de Pinheiral em dia de Zumbi, por Hebe Mattos, Martha Abreu, Keila Grinberg e Elaine Monteiro

Dia 20 de novembro de 2016. Apesar dos retrocessos e ameaças aos direitos inscritos na Constituição de 1988 que marcaram o ano, foi um dia histórico para a comunidade jongueira de Pinheiral, que recebeu oficialmente, da prefeitura, a posse coletiva de parte das terras que cercam às ruínas do casarão central da antiga fazenda de São José do Pinheiro, antiga residência de uma dos maiores fazendeiros e traficantes de africanos escravizados do Brasil do século 19, José Joaquim de Souza Breves.

15109375_10209554510872495_1130277103345438780_n

Depois de muitos anos de luta, pelo menos desde os anos de 1980, a emoção contagiou a todos que lá estiveram para assistir  às comemorações bem em frente ao velho casarão em ruínas, de onde se avista o antigo terreiro de café, as casas que já foram as senzalas e o memorial do Projeto Passados Presentes, erguido nesse espaço outrora identificado com o poder senhorial, hoje o Parque das Ruínas da Fazenda São José do Pinheiro.

O prefeito de Pinheiral, Professor José Arimathea, conclui seu mandato fazendo justiça aos descendentes da trabalhadores africanos das antigas fazendas cafeeiras da região que, ao migrarem para a cidade ao longo do século 20,  a transformaram na “capital do jongo” do estado do Rio de Janeiro.

15094319_10209554509152452_3703090155103441394_n

O grupo de jongo de Pinheiral,  através do CREASF, centro de referência de estudo afro sul fluminense, e de suas lideranças, as irmãs Maria de Fátima (Fatinha), Maria da Graça e Maria Amélia dos Santos, viu um dos seus mais antigos sonhos, o de transformar as ruínas da antiga sede da fazenda e seu entorno em local de memória e celebração da cultura negra, se fazer realidade, em julho de 2015.  Uma ação concebida no âmbito na década internacional do afrodescendente (Década AFRO) instituída pela ONU (2015-2024) e do Projeto Rota do Escravo, da UNESCO.  Um passado para não ser mais esquecido, que faz de Pinheiral, a “cidade do jongo”.

11741174_886661518037553_2197751268587444907_o

A comunidade jongueira da cidade torna-se agora, e para sempre, a principal guardiã desse lugar de celebração da herança africana e da identidade negra e jongueira.

11751774_10152975405428062_6850022967868622094_n

Em tempos de resiliência, esse dia 20 de novembro foi mesmo especial para a cultura e a consciência negra no velho vale cafeeiro. Vai ficar na história da região. Vai ficar na nossa história, coordenadoras do projeto Passados Presentes, desenvolvido em parceria com a comunidade jongueira.  Foi um dia de muito AXÉ!

Para registrar ainda com mais força a emoção do dia de hoje, transcrevemos a fala de Fatinha, em uma entrevista que nos concedeu em 2009, em momento que ainda não era possível imaginar tamanha conquista. Apesar dos tempos sombrios, o patrimônio negro de Pinheiral está nas mãos dos seus herdeiros legítimos, eles saberão garantir o futuro.

“…Porque a gente sempre pensou em fazer um centro cultural no casarão, isso é uma ideia muito antiga, a gente dançava em vários cantos da cidade, nos terreiros das casas, na rua e ficava aquela coisa com o casarão… foram os escravos que construíram aquilo tudo e nada daquilo nos pertence…foram nossos antepassados, os negros que vieram da África que construíram aquilo lá”

11755108_886658248037880_2968268757584297969_n

1 comentário

Arquivado em cultura negra

“Reza de Mãe” para que a Casa Grande siga surtando!!

 

“Domingo era dia de refresco, mas o suco vinha morno” (Reza de Mãe, p. 59)

reza-de-mae

Lançamento de Reza de Mãe na Aparelha Luzia, 3.11.2016

Todos os dias, Vingança traveste-se de Esperança, toma lá uma talagada de café e se lança como protagonista de uma sequência dinâmica e monótona de ações que falam da vida e do seu inverso. Vingança tem seus múltiplos sentidos e feições. É gente homem, mulher, criança, jovem e pessoa que carrega o peso de ter visto muito acontecer, mas pouca coisa mudar.

Vingança é a desforra de diariamente sobreviver à guerra de entrar no busão/trem lata de sardinha/navio negreiro, para encarar o esculacho do subemprego e da subalternidade; de aprender a beber pouca água e segurar a bexiga para suportar a viagem de horas até o centro da cidade ou a volta de lá; de engolir a humilhação sofrida “quando perguntou se ia receber sua paga”; de chegar em casa, encontrar a filha já dormindo e mesmo assim contar histórias emboladas, pedir proteção à santa para que os “esgotos” não alcancem a pureza da menina e, sem sentir, desabar no sono…

Vingança é também encarar torcidas rivais e se firmar ponta de lança em torneio de futebol de bairro no fim de semana; trocar solidariedade com outras iguais na fila da visita e não sucumbir após as “três cocorinhas”; é matar e também morrer para ridicularizar a quem tanto ajudou a rebaixar outras vidas; é comemorar uma conquista besta, mas grande porque coletiva e sair pela quebrada juntando pau para fazer fogueira na companhia do pequeno parceiro.

E Vingança boa é ainda transformar tudo isso em sustento para a prosa, desafiar modelos narrativos e colocar a gente negra e periférica no centro da escrita literária, com suas falas, seus medos, sonhos, felicidades e frustrações. E não se trata apenas de temática, coisa de interesse de quem alimenta fascínio por um cotidiano alheio, que cabe em determinadas páginas dos jornais, mas segue estranho aos catálogos de livros de literatura, sobretudo se escritos por quem, de tanto naturalizar, desnaturalizou essas e outras cenas e histórias.

Eis o “troco” passado por Allan da Rosa em seu novo livro Reza de Mãe e outros contos, cuja primeira reunião de lançamento aconteceu na Ação Educativa, no último 17 de outubro, e que já foi recebido em outros espaços de cultura negra de São Paulo, como a Aparelha Luzia, o Núcleo de Consciência Negra e o GRES Quilombo. A responsabilidade da publicação foi confiada e assumida pela Editora Nós, empresa criada ano passado pela jornalista e escritora Simone Paulino, com foco em projetos literários inovadores. Não por acaso, é assim que se expressam seus anseios editoriais: “Vamos ser plurais, democráticos, inclusivos, afetivos. Princípio este que se reflete também na concepção da marca – uma palavra única, de três letras, mas indivisível, com um centro aberto no qual as pessoas e as ideias poderão entrar”. De fato, será muito importante que isso aconteça e permaneça!

Pois marcando a estreia do autor na prosa de ficção, as 104 páginas que compõem o volume são o primeiro resultado concentrado das andanças que o escritor Allan da Rosa têm feito por veredas outras que as da poesia. Historiador, angoleiro, mestre e doutorando em Educação pela Universidade de São Paulo (USP), homem negro, morador do Taboão da Serra e caminhador do mundo, ele havia publicado Vão (Edições Toró, 2005); Morada, com Guma (Edições Toró, 2007); Da Cabula (Prêmio Nacional de Dramaturgia Negra, 2014); Zagaia (DCL, 2007); A Calimba e a Flauta, com Priscila Preta (Capulanas, 2012); e Pedagoginga, Autonomia e Mocambagem (Aeroplano, 2013).

reza-de-mae-2

Reza de Mãe, aliás, mais do que um novo caminho, parece-me um adensamento desse esforço reflexivo que vem de alguns anos, em que literatura, educação, ancestralidade, arte e história são postos em diálogo, a fim de garantir a conversa com quem não pode ficar de fora dela. Sem cair num didatismo simplificador, os quinze textos mantêm estreita relação com princípios da própria Pedagoginga, já que: “Lâmina e dádiva que atravessa a Pedagoginga é sim bailar [nas nossas] contradições, para que nossa compreensão não se mutile e não nos enforque na hipocrisia, para que não anunciemos liberdade mas oferecendo cabresto” (Pedagoginga, Autonomia e Mocambagem, p. 17). Parente próxima da Pretagogia, a escrita de Allan da Rosa é dessas inúmeras elaborações intelectuais que escapam à matriz limitada que sustenta a convicção de sujeitos como Marco Antonio Villa, que se só conseguem tratar como desatino e heresia aquilo que não reflete a si mesmos.

Escritos com tinta batizada de cerol, as tramas de palavras de Allan da Rosa grudam e cortam interpretações rasteiras a respeito das pessoas, famílias e espaços da chamada periferia, que para muitas/os de nós é o centro do mundo, o pior e o melhor dele. Os contos dialogam entre si não apenas por meio de personagens que aparecem em diferentes histórias e situações, mas também tendo como referencial as possibilidades e impossibilidades de proteção, afeto, contato e cuidado entre gerações de pessoas representadas. Nesse sentido, justamente por garantir a seus sujeitos ficcionais características humanas, não espere encontrar nas páginas do livro um equilíbrio acalentador entre dor e alegria. Como na vida das pessoas de carne e osso, não é sempre que se tem a mesma quantidade de arroz e feijão no prato. Mas o fato é, tal como os tais córregos poluídos que ainda margeiam certas sequências de casas, de que gosta de falar Allan, as pessoas seguem, enquanto não desaparecem.

Reza de Mãe carrega, portanto, um forte potencial didático e pode muito bem servir nas salas de aula como um recurso outro que as tão importantes letras e músicas de rap e outros versos da literatura afro-brasileira contemporânea. Afinal, mesmo sendo a produção e a publicação de poesias menos interditadas, não é de hoje que há investimentos na escrita negra em prosa. Uma medida desse empenho se acompanha nas edições dos Cadernos Negros dedicadas a isso desde os anos 1980. Sem falar das obras individuais de escritores/as como Oswaldo de Camargo e Conceição Evaristo, cujo o livro Olhos d’Água conquistou o terceiro lugar do 57º Prêmio Jabuti (2015) na categoria Contos e Crônicas. De tal sorte, em tempos de esforços de negação da legitimidade de temas, perspectivas e pessoas incomuns ao alegado centro, é hora de investir na ampliação de nosso conhecimento pelas escritas negras e periféricas. Fica, portanto, o convite para se chegar à nova criação do capoeira Allan da Rosa.

1 comentário

Arquivado em cultura negra, Pos-abolição, Uncategorized