Arquivo do autor:Papo Coletivo

Sobre Papo Coletivo

Além da parceria Hebe e Martha, muitos outros textos coletivos podem surgir das nossas conversas, escritos a 4, 6, 8, 10 ou 12 mãos. A caneca sobre os livros simbolizará este papo coletivo. As autoras assinarão o post.

A força da história (por Sidney Chalhoub)

            Seria melhor escrever crônica, mas hoje não é possível. Faz dias que abro jornais e revistas e aparece uma saraivada de notícias e artigos de opinião a respeito do que o governo eleito do país pretende fazer na área de Educação. Tramita um projeto de lei no parlamento para instituir a censura em sala de aula, fala-se em fundir o ministério da Educação com outro, em cobrar mensalidades nas universidades públicas, em vouchers etc. Bastante cacofonia, mas não seria razoável descartar de início todos os pontos que aparecem para discussão. Todavia, há alguns esclarecimentos a fazer no que tange à produção do conhecimento histórico e a difusão dele nas instituições de ensino, nos livros, em revistas especializadas, em meios diversos de divulgação. Apesar das aparências (a julgar pelo que se lê e escuta), a produção de conhecimento histórico e o ensino dele não são a casa da mãe Joana. De modo que vou explicar duas ou três cousas básicas, para colocar a conversa em lugar devido.

Ao que parece, professores e professoras de história são alvos principais de iniciativas para combater uma suposta doutrinação nas escolas. Todo dia há alguma notícia sobre docente de história denunciado, perseguido, demitido, ameaçado, agredido verbalmente, ou pior. É possível que tenha havido um excesso ou outro, em especial devido à alta temperatura política dos últimos meses. Mas a exceção não faz a regra, nem o ataque em curso contra docentes de história precisa de episódios isolados para se justificar. Quais os motivos para tanto foco nos historiadores? Por que eles passaram a incomodar tanto a certos setores da sociedade brasileira e da classe política?

A resposta é complexa. Seria necessário situá-la no quadro mais amplo de explicações dos motivos pelos quais a extrema direita chegou ao poder no Brasil, neste preciso momento. Conheço meus pares. Nós, historiadores, e colegas cientistas sociais de diversas disciplinas, no Brasil e no mundo, nos debruçaremos sobre o tema nas próximas décadas e vamos dissecar o assunto até que a nuvem espessa da incompreensão se dissipe um pouco, ou bastante. O processo é lento, já começou e não tem hora para acabar. O tempo nervoso da política não tem nada a ver com a longa duração requerida na investigação, no diálogo acadêmico e na sistematização de resultados de pesquisa.

Por aí se chega a uma primeira resposta quanto aos ataques aos historiadores. Os historiadores brasileiros estão na berlinda porque o conhecimento que produzem hoje é autônomo, crítico, baseado em pesquisas empíricas lentas e sólidas, informado por debates conceituais densos. Além disso, em várias áreas da pesquisa histórica, têm o reconhecimento da comunidade acadêmica internacional. Desde o início da década de 1980, a formação de historiadores se profissionalizou no país de maneira admirável. Há hoje dezenas de cursos de mestrado e doutorado em história espalhados por todas as regiões. São programas de pós-graduação constantemente e rigorosamente avaliados pelos pares, em processos de acompanhamento institucionalizados pelo governo federal que nada deixam a dever (de fato, superam em muitos aspectos) a procedimentos similares existentes em outros países. Vários desses programas são de excelência, muitos deles de ótima qualidade. Via de regra, os professores e professoras de história das universidades brasileiras passaram por um processo de formação exigente, demorado, a demandar doses absurdas de vocação e determinação –quatro anos de graduação, dois ou três anos de mestrado, quatro a seis anos de doutorado. Dez a treze anos de formação, quando dá tudo certo, sem intempéries. Essa qualidade concentrada nas universidades, nas públicas em especial, mas não só nelas, se espraia pelo sistema inteiro, instaura a reflexão crítica sobre a história em toda parte. Isso incomoda demais.

É fácil entender o desconforto de tanta gente. As historiadoras e historiadores brasileiros passaram as últimas décadas a escarafunchar arquivos e rever inteiramente o que antes se sabia sobre a história da escravidão e do racismo no país. A violência da escravidão, a expansão da cafeicultura baseada na invasão de terras e no tráfico africano ilegal, o estudo das formas de resistência e de enfrentamento cotidiano por mulheres e homens escravizados –tudo isso se pesquisa e aprende, chega às salas de aula e até ajudou na justificativa para a adoção de políticas públicas de ação afirmativa. A historiografia brasileira participou intensamente de um movimento internacional de investigação das relações de gênero e seu impacto na reprodução de desigualdades em sociedades diversas, em qualquer tempo. Aprendemos a respeito dos modos de as mulheres lidarem com as violências e as formas diversas de subordinação, sabemos melhor aquilo que têm feito ao longo da história contra aqueles que pregam a violação delas, a amputação de suas potencialidades, a interdição de seus sonhos. Houve uma gama enorme de estudos sobre a ditadura brasileira de 1964-1985, baseados em fontes primárias que se tornaram disponíveis, produzidos em diálogo com a historiografia internacional a respeito das ditaduras latino-americanas no período da guerra fria. Os historiadores brasileiros sequer inventaram de chamar “ditadura” o que ocorreu no país naquele período, pois historiadores de outras partes do mundo já haviam adotado a bossa de chamar a cousa pelo nome que a cousa tem.

Nada disso, e muito mais, agrada a quem tem agora as rédeas do poder. Paciência. Outras eleições virão. Mas algo precisa ficar claro. Nenhum político, nenhum general, nenhum juiz, irá determinar como historiadores de ofício chamarão isso ou aquilo, ou como exercerão o seu ofício. Podemos ser calados, mas não vencidos. E estamos à disposição para ensinar, como sempre estivemos, a quem quiser aprender. As portas das universidades brasileiras estão abertas a quem se qualificar para ingressar nelas –há enem, vestibulares, concursos de ingresso para programas de pós-graduação. Depois muitos anos de formação, exames diante de bancas de mestrado, doutorado, tudo com os salamaleques da tradição acadêmica. Há centenas e centenas de livros e artigos científicos sobre os temas citados no parágrafo anterior, e sobre muitos mais. É longo, duro, mas fascinante. Podem crer.

Screen Shot 2018-11-10 at 07.59.50

Sidney Chalhoub

Professor of History, Harvard University

Professor Titular Colaborador, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

5 Comentários

Arquivado em democracia, historiografia

BRÁS CUBAS VOTOU EM BOLSONARO. E MACHADO DE ASSIS? – Sidney Chalhoub responde.

Screen Shot 2018-10-26 at 09.47.53

conversa de historiadoras

Os vermes que roeram as frias carnes do cadáver dele, Brás Cubas, delataram a um juiz de província qual será o voto do ilustre defunto autor no dia 28 de outubro próximo: Bolsonaro! O juiz, por seu turno, certo da importância dessa informação para influenciar eleitores indecisos a respeito do pleito que se aproxima, vazou a delação para a imprensa, como de costume. Nela se lê assim:

“Testemunha jurada aos Santos Evangelhos na forma da lei, prometeu dizer a verdade, principalmente a pós-verdade; declarou chamar-se Brás Cubas, memorialista supimpa, profissão vive de rendas, idade duzentos e um anos; perguntado sobre o pleito eleitoral de domingo próximo, disse que votaria em Jair Bolsonaro, sua alma gêmea; disse mais, que sabia por ouvir dizer que, ao falar de sua esposa, o dito candidato usa repetir o que ele, Brás, disse certa vez de sua amante, Virgília: “era o travesseiro do meu espírito…

Ver o post original 432 mais palavras

Deixe um comentário

Arquivado em democracia

BRÁS CUBAS VOTA EM BOLSONARO. E MACHADO DE ASSIS? Sidney Chalhoub responde.

Os vermes que roeram as frias carnes do cadáver dele, Brás Cubas, delataram a um juiz de província qual será o voto do ilustre defunto autor no dia 28 de outubro próximo: Bolsonaro! O juiz ouviu o depoimento de Brás e, ato contínuo, certo da importância dessa informação para influenciar eleitores indecisos a respeito do pleito que se aproxima, vazou a transcrição para a imprensa, como de costume. Nela se lê assim:

“Testemunha jurada aos Santos Evangelhos na forma da lei, prometeu dizer a verdade, principalmente a pós-verdade; declarou chamar-se Brás Cubas, memorialista supimpa, profissão vive de rendas, idade duzentos e treze anos; perguntado sobre o pleito eleitoral de domingo próximo, disse que votaria em Jair Bolsonaro, sua alma gêmea; disse mais, que sabia por ouvir dizer que, ao falar de sua esposa, o dito candidato usa repetir o que ele, Brás, disse certa vez de sua amante, Virgília: “era o travesseiro do meu espírito, um travesseiro mole, tépido, aromático, enfronhado em cambraia e bruxelas. Era ali que ele costumava repousar de todas as sensações más, simplesmente enfadonhas, ou até dolorosas. E, bem pesada as cousas, não era outra a razão da existência de Virgília”; também sabe por ouvir dizer que o candidato citado pretende, no governo, colocar em prática a mesma política dele, Brás, em relação aos negros: “Prudêncio, um moleque de casa, era o meu cavalo de todos os dias; punha as mãos no chão, recebia um cordel nos queixos, à guisa de freio, eu trepava-lhe ao dorso, com uma varinha na mão, fustigava-o, dava mil voltas a um e outro lado, e ele obedecia, –algumas vezes gemendo, –mas obedecia sem dizer palavra”; se disser algo, responder-se-á, “Cala a boca, besta!”; perguntado sobre os direitos das empregadas domésticas, disse a testemunha que o programa do candidato em tela é idêntico ao que adotou enquanto viveu e depois, nos aposentos eternos: foram chamadas ao mundo para “queimar os dedos nos tachos, os olhos na costura, comer mal, ou não comer, andar de um lado para outro, na faina, adoecendo e sarando, com o fim de tornar a adoecer e sarar outra vez, triste agora, logo desesperada, amanhã resignada, mas sempre com as mãos no tacho e os olhos na costura, até acabar um dia na lama ou no hospital; foi para isso que te chamamos, num momento de simpatia”; perguntado como achava que o candidato deveria lidar com ativistas que se  opuserem ao seu possível futuro governo, disse a testemunha, ruborizado, subindo o tom de voz, que precisam ser mandados ao calabouço, a prisão dos escravos, “donde eles [descerão] a escorrer sangue”; perguntado, por fim, qual o principal ponto de contato entre as filosofias de vida dele, testemunha, e a do candidato Bolsonaro, disse, comovido, que ambos se afeiçoam à “injustiça humana”, gostam de contemplá-la, “atenuá-la”, “explicá-la”, “ao sabor das  circunstâncias e lugares”; e mais não disse nem lhe foi perguntado, com o que o juiz de província mandou-me lavrar este auto, de cuja verdade dou fé (…)”.

Presente ao interrogatório, Machado de Assis permaneceu calado num canto da sala, fingindo que não estava ali. Os vermes o perceberam e lhe fizeram a pergunta fatal: “E o Senhor, Criador desta Criatura, votará em Bolsonaro?”. Machado de Assis gaguejou, não disse que sim, nem disse que não. Diante da insistência dos vermes, respondeu enigmático, a caminho da porta de saída: “É sabido desde a mais remota noute dos tempos que no dia 28 de outubro de 2018 Hércules realizará o seu DÉCIMO-TERCEIRO trabalho. Boas Noutes!”.

Sidney Chalhoub, 25/10/2018

Screen Shot 2018-10-26 at 09.47.53

 

1 comentário

Arquivado em democracia

Kumbukumbu: África, memória e patrimônio

Sem palavras, republicamos o post festivo de 2014, em memória do Museu Nacional do Rio de Janeiro, desaparecido nas chamas neste 2 de setembro de 2018. Uma tragédia indizível para a história da cultura brasileira.

conversa de historiadoras

Significado da palavra kumbukumbu:

“KUMBUKUMBU é uma palavra swahili que significa memória ou recordação. Como a história é considerada o estudo do passado, historiadores recolhem fatos do passado de diferentes fontes. Todas as coleções e documentações dos acontecimentos passados reunidas formam um MUSEU, que basicamente significa KUMBUKUMBU. As exposições dos museus são usadas para mostrar as memórias e as coleções de acontecimentos passados. KUMBUKUMBU evoca a dimensão do passado que nos aponta um caminho para o futuro.”    Gatera Mudahizi Maurice, Tanzânia

Quem está antenado com as novidades na nossa área de interesse já sabe do que se trata o post de hoje, a nova exposição sobre a coleção de África do Museu Nacional, que será inaugurada no próximo dia 14 de maio, às 16 horas. Graças ao trabalho minucioso e apaixonado da historiadora Mariza Soares, Kumbukumbu traz a público um pequeno tesouro que ficou muitos anos…

Ver o post original 636 mais palavras

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

Domingo, 13 de Maio, 130 anos depois…

O blog celebra o 13 de maio com uma conversa entre suas veteranas…

Hebe Mattos

2018!

130 anos das fugas em massa de escravizados que surpreenderam abolicionistas e “emperrados” e mudaram o rumo previsto para a abolição no Brasil. Cerca de 750 mil pessoas, apenas 5% da população do país, ainda estava “legalmente” sob a condição de escravidão ou regime de trabalho forçado em princípios de 1888. Estes trabalhadores escravizados se concentravam, porém, em fazendas cafeeiras que eram o baluarte da economia agro-exportadora do país. O chefe do Conselho de Ministros, Marquês de Cotegipe, assumira o governo em 1885 com o compromisso de parar a pressão do movimento abolicionista. A proposta do gabinete liberal anterior de liberar os cativos sexagenários sem indenização (quase todos africanos com as idades aumentadas na matrícula para esconder sua origem no contrabando de escravos) fora rejeitada quase que por unanimidade. A lei afinal aprovada, conhecida como Saraiva-Cotegipe, libertava os sexagenários mediante indenização em tempo de serviço e adiava a abolição final para mais quase uma década, após indenizações pecuniárias aos proprietários. Paralelamente, novas medidas legais endureciam as punições para os que apoiassem as crescentes fugas de cativos.

Para além das previsões dos mais radicais abolicionistas, porém, as fugas em massa se generalizaram a partir de janeiro de 1888.   A surpreendente iniciativa dos últimos cativos fez deles, ao final, os principais agentes a definir o “timing” do processo. Alforrias em massa foi a resposta possível à desobediência civil que poderia inviabilizar a colheita daquele ano. Sobretudo nas mais prósperas fazendas cafeeiras de São Paulo. A mudança de posição dos até então empedernidos escravistas paulistas redefiniu o jogo de forças no “andar de cima”.

Em 10 março, o gabinete antiabolicionista liderado pelo Marquês de Cotegipe foi substituído por outro, sob liderança do também conservador João Alfredo, convertido à abolição imediata e sem indenização como solução para a crise. Em maio, quase que por unanimidade,  a lei estava aprovada pelo mesmo congresso escravagista que antes legitimara as ações de perseguição aos abolicionistas que apoiavam as fugas dos escravizados. Ela confirmava a liberdade de fato, que as deserções coletivas tinham estabelecido.  Em 13 de maio, em um domingo, dia do aniversário do bisavô, Dom João VI, a Princesa Isabel assinava a Lei Áurea. A impressionante multidão presente na missa campal comemorativa de 17 de maio ficou registrada para a posteridade em fotografia pioneira. Os batuques comemorativos dos últimos libertos foram ouvidos por mais de duas semanas depois da assinatura da  lei.

Screen Shot 2018-04-08 at 12.35.13

Infelizmente, as esperanças de que as reformas se aprofundariam, com alguma forma de compensação aos recém libertos, no regime monárquico ou em um novo, republicano, duraram pouco. Em pouco mais de um ano, a monarquia foi derrubada por um golpe militar com amplo apoio dos antigos fazendeiros escravistas, chamados “republicanos do 14 de maio”.  No novo contexto político, que se manteve por quase dois anos sem uma nova constituição, as discussões sobre reparação aos libertos caíram no esquecimento. Para se livrar das pressões por indenização aos proprietários, Rui Barbosa, ministro da fazenda, queimou a documentação da matrícula dos últimos escravizados, que embasava a política de indenizações do período imperial. A nova constituição republicana, finalmente aprovada, em 1891, ainda que consagrando a liberdade, negava o direito de voto aos analfabetos, maioria da população, sem fazer da educação pública um dever do estado, enquanto o silêncio racial do texto legal fazia do estigma da escravidão uma marca comum a todos os que traziam na pele a memória da origem africana.

Em 1988, cem anos depois, o movimento negro ainda precisava denunciar nas ruas a abolição incompleta. As lutas pela redemocratização daquela década trariam, porém, mudanças  significativas para a questão. Os artigos 215 e 216 da constituição aprovada no mesmo ano reconheceram, pela primeira vez, a pluralidade étnica e cultural do país. A participação dos movimentos negros na constituinte foi fundamental para a aprovação do artigo 68 das Disposições Transitórias do texto constitucional, assegurando direitos territoriais às comunidades remanescentes de quilombo.

Naquele ano, muito jovem, apresentei emocionada os resultados de minhas primeiras entrevistas com camponeses negros sobre a memória do pós-emancipação no Brasil, em diversos seminários celebrando o centenário da abolição, onde encontrei pela primeira vez o professor Thomas Holt, da Universidade de Chicago. Ele estava no Brasil convidado a compartilhar conosco suas pesquisas pioneiras sobre o pós emancipação na Jamaica e nos Estados Unidos, em perspectiva comparada.  Será uma grande emoção reencontrá-lo na próxima semana, no segundo seminário Histórias do Pós-abolição do Mundo Atlântico, organizado pelo GTEP (GT/ Anpuh _ Emancipações e Pós-Abolição) na Fundação Getúlio Vargas, desta vez acompanhada de expressiva maioria de pesquisadorxs e historiadorxs negrxs, formadxs nos últimos 30 anos.

O Brasil tem ritmos e tempos de mudança lentos e peculiares. Há dois anos os “emperrados” estão no poder e tentam conter, desacelerar ou reverter a vontade de inclusão social que deu sentido à constituição de 1988. Resta-nos defendê-la e apostar na profundidade do processo democrático vivido nas últimas décadas.

Como em 1888, a imprevisibilidade pode estar do nosso lado.

Martha Abreu

1988, um ano para não esquecer!

Embora tenhamos muito para pensar e discutir nesses 130 anos da abolição, hoje quero  escrever sobre o centenário da abolição, há 30 anos. 1988 foi um ano marcante e inesquecível para quem o viveu, negros e brancos, militantes e acadêmicos,  historiadores e sambistas.  Posso dizer que nada ficou como antes na história das escravidão/abolição e nas discussões sobre as relações raciais no Brasil.

Festivais, marchas, protestos e seminários aconteceram em todos os lugares do Brasil. As universidades não ficaram de fora.  Lembro bem de um desses seminários, na reitoria da UFF, onde foram discutidas, com muita exaltação,  as novíssimas pesquisas de historiadores que, criticando a então dominante visão do “escravo coisa”, destacavam o protagonismo negro na luta pela abolição. Como seria possível valorizar essa perspectiva, sem perdermos de vista a violência da escravidão e os limitadíssimos efeitos da Lei Áurea? Aquele debate foi fundamental em minha formação!!

Ao longo de 1988, e desde 1987, também lembro bem da presença dos movimentos negros (e indígenas) nas discussões da Constituinte brasileira, que seria aclamada no final daquele mesmo ano.  Ali seriam aprovadas importantes medidas para o combate ao racismo e reconhecimento da importância da população afrodescendente, tanto no reconhecimento dos direitos quilombolas, quanto na afirmação de um Brasil diverso em termos culturais e populacionais. E isso não era pouca coisa naquele momento.

Mas faço mesmo questão de registrar os desfiles das Escolas de Samba. A discussão do centenário seria levada para a Avenida pela Estação Primeira de Mangueira, com o enredo  “Cem anos de liberdade, realidade ou ilusão?, e pela Unidos de Vila Isabel, “Kizomba, a festa da raça”, encerrando de vez (assim espero) a ideia de que as escolas de samba eram locais para o “povo” esquecer seus problemas.  Maior patrimônio construído pelos descendentes de escravizados no Rio de Janeiro, essas Escolas de Samba colocaram diretamente o dedo nas feridas da escravidão e da abolição.

Nos versos da Mangueira,  cantava-se uma  “liberdade que ninguém viu”, uma “senzala que se transformou em favela”, sem que se tivesse reconhecido “que o negro  também construiu as riquezas do nosso Brasil”. Zumbi foi aclamado em toda a Avenida, mas especialmente pelo arrepiante verso da Vila Isabel que trazia o personagem como protagonista da luta contra a escravidão, contra o racismo e contra o “apartheid”:  “Valeu Zumbi! O grito forte dos Palmares, que correu terras, céus e mares, influenciando a abolição…”

30 anos depois, um filme sobre o desfile da Vila Isabel nos leva de volta àquele ano inesquecível.  Mas agora, com fortíssima emoção, na voz e na memória dos participantes da escola do Morro dos Macacos.  Em ano inesquecível, um filme imperdível realizado por um grupo de jovens carnavalescos, historiadores, cineastas e antropólogos, que tem feito a diferença na atividade dos departamentos culturais das escolas de samba através do trabalho de consolidação de suas histórias e memórias.

Como relata a sinopse do documentário, “Kizomba – 30 anos de um grito negro na Sapucaí” é uma celebração do primeiro título da Unidos de Vila Isabel no grupo especial das escolas de samba. O desfile antológico que marcou não só a história da agremiação, mas como toda a história do carnaval carioca é lembrado por apaixonados componentes dos mais diversos segmentos. O mito da Kizomba continua presente na memória e nos corações daqueles que participaram do carnaval de 1988. “Quem viu, viu. Quem não viu não vai ver mais”.

Veja o teaser do documentário clicando na imagem a seguir.

unnamed (1)
A direção é de Nathalia Sarro (historiadora formada pela UFF, maior orgulho!!). A direção de fotografia, de Nathália Rodrigues. Câmaras e montagem de  Nathália Rodrigues  e Nathalia Sarro. Assistentes de produção,  Beatriz Barcelos, Danilo Garcia, Vitor Hugo Santos. Roteiro, Nathalia Sarro e Fatima Rodrigues. Diretor cultural, Vinícius Natal. Pesquisa, acervo e realilzação,  Vila Cultura. Duração – 72mim

Mônica Lima

Se não fosse o Preto Velho

“O Preto Velho é um negro feiticeiro, se não fosse o Preto Velho, não acabava o cativeiro.”

A assinatura da Lei Áurea em 13 de maio de 1888 trouxe festa no dia seguinte e após, e a memória dessa celebração foi reiterada em canções e poemas negros. No entanto, a continuidade e o aprofundamento das desigualdades no Brasil, acompanhados de uma leitura oficial da abolição da escravidão como uma dádiva da princesa fizeram com que, especialmente a partir da segunda metade do século vinte, se rejeitasse a data como ocasião de celebração entre os setores mais engajados na luta contra o racismo no Brasil. Hoje, o entendimento da abolição como resultante da luta de muitos negros e negras, juntamente à militância de abolicionistas brancos, confere outro lugar para esse dia histórico.

Porém, para além da discussão sobre as ocasiões a se celebrar, há que se destacar outros lados da comemoração do treze de maio. No vasto campo das religiosidades de matriz africana, em algumas vertentes, este é o dia de saudar os Pretos Velhos. Em muitas letras de cantigas das giras, eles seriam os responsáveis pela abolição, pois sua força no sagrado foi determinante para que se alcançasse a desejada liberdade. As diversas imagens que circulam nas redes no dia de hoje nos fazem lembrar que essa data também remete às profundezas de nossa ancestralidade.

Seriam eles, para muitos, a razão da cura e da esperança, como foi lindamente representado pela comissão de frente da escola de samba Paraíso do Tuiuti no seu arrebatador desfile no Carnaval do Rio de Janeiro desse ano. Os pretos-velhos, curvados, sem a agilidade e a força da juventude, seriam aqueles capazes de trazer conforto frente à dor e à desesperança, e assim gerar a recuperação e a redenção. No treze de maio, por essas e outras razões, são lembrados e louvados.

Nos estudos sobre as sociedades africanas e suas culturas muitas vezes encontramos referências à importância do papel dos mais velhos e sobre como sua sabedoria e ciência não somente iluminam a tomada de decisões dos mais novos como dão suporte ao que pode trazer a mudança. O peso da ancestralidade não é paralisante nem conduz a um passado perdido no tempo. Todo ao contrário. Os antigos dão o alicerce para a construção de novas moradas, e a direção segura para rotas de mudança.

Nesse treze de maio em que se celebram os 130 anos da abolição da escravidão no Brasil, fica um desejo – e uma esperança – de que os desafios do presente nos façam lembrar da profundidade do nosso passado. Que a força da nossa ancestralidade, da nossa história, nos permita derrotar o mal e abrir novos caminhos.

 

1 comentário

Arquivado em história e memória

Boas Festas!

Queridos amig@s do Conversa de Historiadoras.  Desejando boas festas, fechamos o blog de 2017 e entramos em recesso.  A princípio, voltaremos – como boas brasileiras – depois do carnaval. Passamos o dia de ontem trocando mensagens que, aproveitando o espírito natalino, compartilhamos com os amigos do blog.

GIOVANA XAVIER: Juntas somos mais fortes! Mulheres incríveis, indispensáveis ao mundo, e para mim essenciais como referência e fonte de inspiração. Nesse 2017 foi muito bom estar com vocês em conversas de historiadoras sobre raça, gênero, feminismos, escravidão, pós-abolição e tantas outras pautas. Lindo presságio me dar conta de que, após um dia sem celular, enquanto me divido entre o forno, a cerva no grau e a lista mirim para Papai Noel, dedicamos tempo para contemplar e compartilhar em registros sensíveis o arco-íris que tomou conta da cidade caótica, porém também maravilhosa. Amo vocês! Feliz Pretas Festas! Obrigada a todo mundo pela caminhada de mãos dadas. Pode vir 2018!

 

KEILA GRINBERG: Aqui nesse blog nós adoramos falar. Por whatsapp, por email, de viva voz, nós conversamos e conversamos. Ao contrário do que talvez possa parecer a quem nos lê, concordamos um pouco e discordamos muito –  só que discordamos acaloradamente nos detalhes e concordamos apaixonadamente no essencial. O ano que começa nos exigirá força e alegria para proteger a liberdade das boas conversas, aquelas bem relaxadas, em que ninguém tem medo de dizer o que pensa, todos falam, todos escutam e ninguém ganha no berro. Que em 2018 continuemos, todos, concordando no essencial: que o diálogo vença o grito.

MÔNICA LIMA: Não seja tão leviano/Respeita minha Aruanda/Tem quase cinco mil anos/ De existência minha banda (Alabê de Jerusalém)

E lá se vai 2017. Dirão alguns – prenhes de razão, como o Jorge Maravilha do Chico Buarque – “já vai tarde”. A onda conservadora e racista que cresce, impudica e violenta; a perda acelerada de direitos tão duramente conquistados; o estreitamento dos espaços para a Arte e a Cultura; a política deliberada de desmantelamento das universidades estaduais no Rio de Janeiro – que ainda assim, resistem -; tudo isso e uma lista interminável de coisas ruins que chegaram e se anunciaram nesse ano. Querer que essa marca do tempo que passa seja superada é uma forma de dizer que se acredita que há uma mudança possível, para o bem, e que caminhar decidido em direção a ela, começando um novo ano, dá um gás na alma e no corpo cansados.// No verso do Alabê de Jerusalém que abre esse trecho do post, está contida uma ideia que me fortalece nesses tempos de desânimo, olhando o mundo e minha família ampliada: nossos ancestrais foram obrigados a fazer a travessia nos porões dos navios e sofreram muito, mas têm cinco mil anos de história de criação de belezas e conhecimento, resistência e afirmação. Estou com elas e eles nessa e em muitas horas. Temos uma longa história, que estudo por ofício, prazer e compromisso. E por isso, celebro e luto.// Nesse ano teve a Mwana – Infância e Relações Raciais no Brasil e na África, uma exposição linda no Espaço Jessie Jane Vieira de Souza da UFRJ, que gerou muitas atividades. Com os erês, as crianças, celebramos a vida e as lutas contra o racismo, e as infindas alegrias de brincar. Poucas coisas podem fortalecer mais a nossa vontade de seguir em frente do que a responsabilidade frente aos pequenos seres humanos que merecem um mundo muito, mas muito melhor do que esse que vivemos hoje. E nessa história, perceber que brincadeira é coisa séria, assim como contação de história, roda de capoeira, ou dançar e cantar ao som do dvd Nana e Nilo– personagens infantis negros de desenho animado brasileiro. Na roda, na gira. Tudo isso foi 2017 também.// Portanto, estamos prontas para 2018.

HEBE MATTOS/MARTHA ABREU/ANA FLÁVIA MAGALHÃES PINTO// 2017 passou rápido e pesado. A crise entre capitalismo e democracia se aprofundou no mundo todo, proliferaram fundamentalismos de todos os tipos e o impensável foi se transformando em rotina. Por outro lado, a imprevisibilidade da história nunca foi tão esperada. Continuamos a acreditar nos efeitos positivos da democratização e ampliação dos atores políticos, no Brasil e no mundo. 2018 pode surpreender!

Recebam nossos votos de boas festas e de muita saúde, paz, afetos e democracia no novo ano.

IMG_9411

 

1 comentário

Arquivado em história pública

Como me tornei historiadora… divulgando a imperdível entrevista de Giovana Xavier ao NEXO JORNAL!

O blog hoje divulga a entrevista de Giovana Xavier, ao NEXO JORNAL, que começa indagando: Como você chegou a essa carreira? O que te motiva? Por que você a escolheu?

GIOVANA XAVIER

Esta é uma pergunta difícil de responder porque ela é resultado de muitas histórias. Fui criada por uma família de mulheres negras que acreditaram e colocaram em prática o poder da educação como instrumento de liberdade e ascensão social. Minha mãe, Sonia Regina (ancestral) foi a primeira da família a cursar a universidade. Isso revela uma característica típica de famílias negras: o investimento na formação de um indivíduo (geralmente o mais novo) como projeto de liberdade e transformação coletivo. Essa marca, sempre presente nas histórias que hoje escuto meus estudantes pretos contarem, é um saber que temos aprimorado como comunidade negra e que evidencia os limites da meritocracia como conceito que dê conta de explicar as oportunidades desiguais que recebemos a depender de quem somos em termos raciais, de gênero, de classe, sexualidade. Então posso dizer que o fato de ter sido socializada em um matriarcado que acreditou que eu poderia ser quem eu quisesse, estimulando-me a ler, escrever, aprender outros idiomas, motivou-me a transgredir, indo além do destino esperado para as meninas negras do Brasil: o trabalho doméstico, ramo em que inclusive trabalhei por um tempo, quando fui arrumadeira de pousada na Ilha Grande na adolescência. Meu primeiro trabalho foi aos 11 anos, entregando panfletos “Vendo Ouro” na ponte do subúrbio do Méier, no Rio de Janeiro, onde fui criada. Até hoje tenho pavor de receber esses papéis, por saber das violências e perversidades que rodeiam a juventude que desde cedo tem de se virar, encarando a rua como local de trabalho. Essas experiências de inserção no mercado informal somadas à oportunidade de ter estudado em uma escola branca de classe média me geraram um ponto de vista denso sobre como estar em dois mundos e, do interior deles, criar o meu próprio. Acho que esta tem sido minha busca pelo “caminho de casa”, para usar a expressão marcante da escritora ganense Yaa Gyasi. Na linha “força, foco e fé”, pergunto-me diariamente: como, na condição de mulheres negras, podemos e devemos reivindicar a intelectualidade, construindo um universo para chamar de nosso, dentro e fora da academia? A história, enquanto matéria dedicada à interpretação de processos sociais e à construção de identidades individuais e coletivas, oferece ferramentas para responder à minha pergunta. Entretanto, estamos falando ao mesmo tempo de uma disciplina que contradiz minha própria motivação se considerarmos que ela foi criada a partir de uma lógica branca, masculina e eurocêntrica. As ferramentas da história e da academia como um todo precisam ser empretecidas na forma de uma ciência para o negro, conforme sinalizado pelo sociólogo Eduardo Oliveira e Oliveira e pela historiadora Beatriz Nascimento nos anos 1980. Entendendo-me como continuidade, essa é minha missão, definida por meus ancestrais. É isso que me motiva a seguir fazendo ciência, diariamente.

Para a íntegra da entrevista: https://www.nexojornal.com.br/profissoes/2017/10/16/Como-me-tornei-historiadora-e-a-vida-entre-livros-arquivos-e-salas-de-aula

Screen Shot 2017-10-16 at 20.10.12

 

 

Deixe um comentário

Arquivado em ações afirmativas, antiracismo, historiografia