O Carnaval do #ForaTemer

Fechamos 2016 sem fazer retrospectiva e começamos 2017 sem os votos de praxe, mas o primeiro post coletivo do ano teve a força de fazer as duas coisas ainda que de forma indireta. O “conversa de historiadoras” abriu o ano apoiando a anticandidatura de Beatriz Vargas ao Supremo Tribunal Federal e antecipando o #Fora Temer que explodiu no carnaval em grande estilo e por todo o país (clique na figura para ver o víde0).

screen-shot-2017-03-04-at-13-11-33

Screen Shot 2017-03-07 at 10.34.39

O #ForaTemer foi notícia até na Globo, o que pode indicar eleição indireta no horizonte e uma possível segunda fase do golpe, já que o #DiretasJá não teve o mesmo sucesso. De todo modo, carnaval sempre foi política. Em Salvador, os foliões gritaram #ForaTemer e se opuseram com criatividade à violência policial às manifestações populares, velho problema que se tornou mais agudo nos últimos meses. As redes sociais amplificaram os significados da força do protesto coletivo em forma de riso.

screen-shot-2017-03-05-at-09-48-20

Quem foi ao Mulheres de Chico ontem, na Pedra do Leme, no Rio de Janeiro, não tem dúvida: de um jeito ou de outro,  amanhã vai ser outro dia.

Nos desfiles das escolas de samba, sobretudo no Rio, os graves acidentes com carros alegóricos trouxeram, com razão, muita energia para a discussão (antiga) sobre os problemas que a espetacularização midiática e o caráter de festa oficial do carnaval da Sapucaí podem representar.

Vale a pena, porém, colocar as lentes também no outro lado da moeda: a potencialidade criativa e de inovação que o encontro entre energia comunitária e indústria cultural pode produzir.

O desfile da Unidos da Tijuca foi lugar de um dos tristes acidentes. Um daqueles casos em que o show, simplesmente, não devia continuar.

Ainda assim, o enredo sobre o encontro de Pixinguinha e Louis Amstrong, celebrando a força cultural do Atlântico Negro não passou em branco. O desfile tornou conhecido do grande público um encontro cuja repercussão esteve, até então, reduzida a trabalhos intelectuais do campo da história e dos estudos culturais.

Pena que a cegueira seletiva da Rede Globo, que continua a monopolizar a transmissão pela TV, e  o desconhecimento sobre os enredos e a história das escolas de boa parte dos comentaristas, não permitam amplificar ainda mais a importância da mensagem.  Também o impactante navio negreiro na abertura da Vila Isabel e seu enredo sobre o som da cor,  cantando as dores da diáspora africana e, mais uma vez, a força da música negra no Atlântico, quase não foram mencionados pela cobertura, que só enfatizou as falhas técnicas do desfile… que preguiça.

navio-negreiro-vila-isabel

A diáspora banto nas Américas foi cantada também pela União da Ilha, com enredo lembrando Macurá Dilé, o tempo que teve início, mas não tem fim, tradição do candomblé Angola. Foi uma aula em plena festa!  Vale ainda destacar a presença na Imperatriz de caciques vindos do Xingu. A verde e branco da Leopoldina não poupou críticas aos inimigos das terras indígenas!

xingu-imperatriz-facebook_01

Se os carros alegóricos foram o grande problema, a visão dos meninos da Mangueira empurrando o carro de São Jorge com animação e euforia dá bem conta do que as imagens da TV continuam a não mostrar. A cena foi filmada por Lívia Monteiro,  historiadora da congada mineira, em sua primeira vez na Sapucaí, completamente emocionada pela experiência.

Aliás, como escreveu Martha em sua conta no facebook, em mensagem em grande parte incorporada neste post, o desfile da Mangueira foi irresistível.  As imagens de Cristo, dividindo um carro com Oxalá, a força de São Jorge e do Divino, e a porta bandeira Debora Oliveira, vestida de azul e dourado, incorporando Nossa Senhora Aparecida, são mesmo inesquecíveis. Em tempo de fortalecimento de tantas intolerâncias, entre elas o veto do Cristo no desfile das campeãs,  a Mangueira mostrou o quanto a “ajuda do santo” faz parte de nossa história.

O carnaval terminou com festa em Madureira, um dos berços do samba, com a dupla vitória de Portela e Império Serrano!

Ainda no clima da festa, pedindo #ForaTemer e #DiretasJá,  o “conversa de historiadoras”  pede passagem e começa oficialmente o ano de 2017.

Mangueira! Rogai por nós!!

16991566_810832055735038_7755998510718080123_o-116999197_810832195735024_3563777656928781227_n-1Screen Shot 2017-03-07 at 10.26.05

Deixe um comentário

Arquivado em cultura negra

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s