Domingo, 13 de Maio, 130 anos depois…

O blog celebra o 13 de maio com uma conversa entre suas veteranas…

Hebe Mattos

2018!

130 anos das fugas em massa de escravizados que surpreenderam abolicionistas e “emperrados” e mudaram o rumo previsto para a abolição no Brasil. Cerca de 750 mil pessoas, apenas 5% da população do país, ainda estava “legalmente” sob a condição de escravidão ou regime de trabalho forçado em princípios de 1888. Estes trabalhadores escravizados se concentravam, porém, em fazendas cafeeiras que eram o baluarte da economia agro-exportadora do país. O chefe do Conselho de Ministros, Marquês de Cotegipe, assumira o governo em 1885 com o compromisso de parar a pressão do movimento abolicionista. A proposta do gabinete liberal anterior de liberar os cativos sexagenários sem indenização (quase todos africanos com as idades aumentadas na matrícula para esconder sua origem no contrabando de escravos) fora rejeitada quase que por unanimidade. A lei afinal aprovada, conhecida como Saraiva-Cotegipe, libertava os sexagenários mediante indenização em tempo de serviço e adiava a abolição final para mais quase uma década, após indenizações pecuniárias aos proprietários. Paralelamente, novas medidas legais endureciam as punições para os que apoiassem as crescentes fugas de cativos.

Para além das previsões dos mais radicais abolicionistas, porém, as fugas em massa se generalizaram a partir de janeiro de 1888.   A surpreendente iniciativa dos últimos cativos fez deles, ao final, os principais agentes a definir o “timing” do processo. Alforrias em massa foi a resposta possível à desobediência civil que poderia inviabilizar a colheita daquele ano. Sobretudo nas mais prósperas fazendas cafeeiras de São Paulo. A mudança de posição dos até então empedernidos escravistas paulistas redefiniu o jogo de forças no “andar de cima”.

Em 10 março, o gabinete antiabolicionista liderado pelo Marquês de Cotegipe foi substituído por outro, sob liderança do também conservador João Alfredo, convertido à abolição imediata e sem indenização como solução para a crise. Em maio, quase que por unanimidade,  a lei estava aprovada pelo mesmo congresso escravagista que antes legitimara as ações de perseguição aos abolicionistas que apoiavam as fugas dos escravizados. Ela confirmava a liberdade de fato, que as deserções coletivas tinham estabelecido.  Em 13 de maio, em um domingo, dia do aniversário do bisavô, Dom João VI, a Princesa Isabel assinava a Lei Áurea. A impressionante multidão presente na missa campal comemorativa de 17 de maio ficou registrada para a posteridade em fotografia pioneira. Os batuques comemorativos dos últimos libertos foram ouvidos por mais de duas semanas depois da assinatura da  lei.

Screen Shot 2018-04-08 at 12.35.13

Infelizmente, as esperanças de que as reformas se aprofundariam, com alguma forma de compensação aos recém libertos, no regime monárquico ou em um novo, republicano, duraram pouco. Em pouco mais de um ano, a monarquia foi derrubada por um golpe militar com amplo apoio dos antigos fazendeiros escravistas, chamados “republicanos do 14 de maio”.  No novo contexto político, que se manteve por quase dois anos sem uma nova constituição, as discussões sobre reparação aos libertos caíram no esquecimento. Para se livrar das pressões por indenização aos proprietários, Rui Barbosa, ministro da fazenda, queimou a documentação da matrícula dos últimos escravizados, que embasava a política de indenizações do período imperial. A nova constituição republicana, finalmente aprovada, em 1891, ainda que consagrando a liberdade, negava o direito de voto aos analfabetos, maioria da população, sem fazer da educação pública um dever do estado, enquanto o silêncio racial do texto legal fazia do estigma da escravidão uma marca comum a todos os que traziam na pele a memória da origem africana.

Em 1988, cem anos depois, o movimento negro ainda precisava denunciar nas ruas a abolição incompleta. As lutas pela redemocratização daquela década trariam, porém, mudanças  significativas para a questão. Os artigos 215 e 216 da constituição aprovada no mesmo ano reconheceram, pela primeira vez, a pluralidade étnica e cultural do país. A participação dos movimentos negros na constituinte foi fundamental para a aprovação do artigo 68 das Disposições Transitórias do texto constitucional, assegurando direitos territoriais às comunidades remanescentes de quilombo.

Naquele ano, muito jovem, apresentei emocionada os resultados de minhas primeiras entrevistas com camponeses negros sobre a memória do pós-emancipação no Brasil, em diversos seminários celebrando o centenário da abolição, onde encontrei pela primeira vez o professor Thomas Holt, da Universidade de Chicago. Ele estava no Brasil convidado a compartilhar conosco suas pesquisas pioneiras sobre o pós emancipação na Jamaica e nos Estados Unidos, em perspectiva comparada.  Será uma grande emoção reencontrá-lo na próxima semana, no segundo seminário Histórias do Pós-abolição do Mundo Atlântico, organizado pelo GTEP (GT/ Anpuh _ Emancipações e Pós-Abolição) na Fundação Getúlio Vargas, desta vez acompanhada de expressiva maioria de pesquisadorxs e historiadorxs negrxs, formadxs nos últimos 30 anos.

O Brasil tem ritmos e tempos de mudança lentos e peculiares. Há dois anos os “emperrados” estão no poder e tentam conter, desacelerar ou reverter a vontade de inclusão social que deu sentido à constituição de 1988. Resta-nos defendê-la e apostar na profundidade do processo democrático vivido nas últimas décadas.

Como em 1888, a imprevisibilidade pode estar do nosso lado.

Martha Abreu

1988, um ano para não esquecer!

Embora tenhamos muito para pensar e discutir nesses 130 anos da abolição, hoje quero  escrever sobre o centenário da abolição, há 30 anos. 1988 foi um ano marcante e inesquecível para quem o viveu, negros e brancos, militantes e acadêmicos,  historiadores e sambistas.  Posso dizer que nada ficou como antes na história das escravidão/abolição e nas discussões sobre as relações raciais no Brasil.

Festivais, marchas, protestos e seminários aconteceram em todos os lugares do Brasil. As universidades não ficaram de fora.  Lembro bem de um desses seminários, na reitoria da UFF, onde foram discutidas, com muita exaltação,  as novíssimas pesquisas de historiadores que, criticando a então dominante visão do “escravo coisa”, destacavam o protagonismo negro na luta pela abolição. Como seria possível valorizar essa perspectiva, sem perdermos de vista a violência da escravidão e os limitadíssimos efeitos da Lei Áurea? Aquele debate foi fundamental em minha formação!!

Ao longo de 1988, e desde 1987, também lembro bem da presença dos movimentos negros (e indígenas) nas discussões da Constituinte brasileira, que seria aclamada no final daquele mesmo ano.  Ali seriam aprovadas importantes medidas para o combate ao racismo e reconhecimento da importância da população afrodescendente, tanto no reconhecimento dos direitos quilombolas, quanto na afirmação de um Brasil diverso em termos culturais e populacionais. E isso não era pouca coisa naquele momento.

Mas faço mesmo questão de registrar os desfiles das Escolas de Samba. A discussão do centenário seria levada para a Avenida pela Estação Primeira de Mangueira, com o enredo  “Cem anos de liberdade, realidade ou ilusão?, e pela Unidos de Vila Isabel, “Kizomba, a festa da raça”, encerrando de vez (assim espero) a ideia de que as escolas de samba eram locais para o “povo” esquecer seus problemas.  Maior patrimônio construído pelos descendentes de escravizados no Rio de Janeiro, essas Escolas de Samba colocaram diretamente o dedo nas feridas da escravidão e da abolição.

Nos versos da Mangueira,  cantava-se uma  “liberdade que ninguém viu”, uma “senzala que se transformou em favela”, sem que se tivesse reconhecido “que o negro  também construiu as riquezas do nosso Brasil”. Zumbi foi aclamado em toda a Avenida, mas especialmente pelo arrepiante verso da Vila Isabel que trazia o personagem como protagonista da luta contra a escravidão, contra o racismo e contra o “apartheid”:  “Valeu Zumbi! O grito forte dos Palmares, que correu terras, céus e mares, influenciando a abolição…”

30 anos depois, um filme sobre o desfile da Vila Isabel nos leva de volta àquele ano inesquecível.  Mas agora, com fortíssima emoção, na voz e na memória dos participantes da escola do Morro dos Macacos.  Em ano inesquecível, um filme imperdível realizado por um grupo de jovens carnavalescos, historiadores, cineastas e antropólogos, que tem feito a diferença na atividade dos departamentos culturais das escolas de samba através do trabalho de consolidação de suas histórias e memórias.

Como relata a sinopse do documentário, “Kizomba – 30 anos de um grito negro na Sapucaí” é uma celebração do primeiro título da Unidos de Vila Isabel no grupo especial das escolas de samba. O desfile antológico que marcou não só a história da agremiação, mas como toda a história do carnaval carioca é lembrado por apaixonados componentes dos mais diversos segmentos. O mito da Kizomba continua presente na memória e nos corações daqueles que participaram do carnaval de 1988. “Quem viu, viu. Quem não viu não vai ver mais”.

Veja o teaser do documentário clicando na imagem a seguir.

unnamed (1)
A direção é de Nathalia Sarro (historiadora formada pela UFF, maior orgulho!!). A direção de fotografia, de Nathália Rodrigues. Câmaras e montagem de  Nathália Rodrigues  e Nathalia Sarro. Assistentes de produção,  Beatriz Barcelos, Danilo Garcia, Vitor Hugo Santos. Roteiro, Nathalia Sarro e Fatima Rodrigues. Diretor cultural, Vinícius Natal. Pesquisa, acervo e realilzação,  Vila Cultura. Duração – 72mim

Mônica Lima

Se não fosse o Preto Velho

“O Preto Velho é um negro feiticeiro, se não fosse o Preto Velho, não acabava o cativeiro.”

A assinatura da Lei Áurea em 13 de maio de 1888 trouxe festa no dia seguinte e após, e a memória dessa celebração foi reiterada em canções e poemas negros. No entanto, a continuidade e o aprofundamento das desigualdades no Brasil, acompanhados de uma leitura oficial da abolição da escravidão como uma dádiva da princesa fizeram com que, especialmente a partir da segunda metade do século vinte, se rejeitasse a data como ocasião de celebração entre os setores mais engajados na luta contra o racismo no Brasil. Hoje, o entendimento da abolição como resultante da luta de muitos negros e negras, juntamente à militância de abolicionistas brancos, confere outro lugar para esse dia histórico.

Porém, para além da discussão sobre as ocasiões a se celebrar, há que se destacar outros lados da comemoração do treze de maio. No vasto campo das religiosidades de matriz africana, em algumas vertentes, este é o dia de saudar os Pretos Velhos. Em muitas letras de cantigas das giras, eles seriam os responsáveis pela abolição, pois sua força no sagrado foi determinante para que se alcançasse a desejada liberdade. As diversas imagens que circulam nas redes no dia de hoje nos fazem lembrar que essa data também remete às profundezas de nossa ancestralidade.

Seriam eles, para muitos, a razão da cura e da esperança, como foi lindamente representado pela comissão de frente da escola de samba Paraíso do Tuiuti no seu arrebatador desfile no Carnaval do Rio de Janeiro desse ano. Os pretos-velhos, curvados, sem a agilidade e a força da juventude, seriam aqueles capazes de trazer conforto frente à dor e à desesperança, e assim gerar a recuperação e a redenção. No treze de maio, por essas e outras razões, são lembrados e louvados.

Nos estudos sobre as sociedades africanas e suas culturas muitas vezes encontramos referências à importância do papel dos mais velhos e sobre como sua sabedoria e ciência não somente iluminam a tomada de decisões dos mais novos como dão suporte ao que pode trazer a mudança. O peso da ancestralidade não é paralisante nem conduz a um passado perdido no tempo. Todo ao contrário. Os antigos dão o alicerce para a construção de novas moradas, e a direção segura para rotas de mudança.

Nesse treze de maio em que se celebram os 130 anos da abolição da escravidão no Brasil, fica um desejo – e uma esperança – de que os desafios do presente nos façam lembrar da profundidade do nosso passado. Que a força da nossa ancestralidade, da nossa história, nos permita derrotar o mal e abrir novos caminhos.

 

1 comentário

Arquivado em história e memória

Uma resposta para “Domingo, 13 de Maio, 130 anos depois…

  1. Amei gente !, minha primeira atividade registrada de ativismo foi justo no 13 do centenário, sem ser de História pesquisei e apresentei palestra sobre o pós-abolição, assunto que só ganharia força entre os historiadores décadas depois… .
    Sigamos !

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s