Do local ao transnacional: Juiz de Fora, cidade negra

Ouvindo a “live” do Milton Nascimento, que canta de sua casa em Juiz de Fora, compartilho com vocês a bela reportagem do jornal da mesma cidade, “Tribuna de Minas”,  assinada pelo jornalista Mauro Morais, sobre o projeto “Juiz de Fora: cidade negra”, que tenho orgulho de coordenar juntamente com Giovana Castro no LABHOI/Afrikas UFJF.

Pesquisadoras investigam memórias da Juiz de Fora negra no passado e no presente

‘Existe memória negra na liberdade’: Às vésperas do lançamento do arquivo digital sobre raízes e memória negras de Juiz de Fora criado por laboratório da UFJF, pesquisadoras confrontam narrativa oficial e reivindicam a expressiva presença negra na escrita da história da cidade

Por Mauro Morais

O footing dos negros e negras era na Rua Marechal Deodoro: Em gesto de resistência, Ercília Cunha e Carminha Almeida caminham, durante os anos 1960, na rua paralela à Halfeld, onde a narrativa oficial eternizou o “footing” que exlcuía os negros, conforme relata pesquisa de Giane Elisa. (Foto: Acervo de Giane Elisa)

Sabe o que é não reconhecer-se onde pisa? Nos livros didáticos que lê? Nos nomes das ruas e bairros ao redor? Vanessa Lopes sabe. Estudante do último período da licenciatura em história da UFJF, a jovem de 22 anos conta nunca ter conseguido enxergar a memória negra em sua Três Rio natal e na Juiz de Fora que em tantas e tantas vezes visitava. Cresceu procurando um legado que, agora, ajuda a organizar e alimentar. Para seu trabalho de conclusão do curso, Vanessa investiga a atuação do Unibairros, movimento comunitário dos anos 1980 e 1990, que denunciava o descaso do Poder Público com a periferia e suas demandas. “A periferia historicamente foi e é formada de maneira racializada pelos negros. A questão de raça e classe era diretamente trabalhada pelo Unibairros”, explica sobre o estudo que, após sua apresentação, será integrado ao arquivo on-line Juiz de Fora, Cidade Negra – Centro de Referência sobre a Memória Negra em Juiz de Fora, que o Laboratório de História Oral e Imagem (Labhoi/Afrikas) da UFJF lança no próximo dia 30, às 17h, com o início do ciclo de debates “Juiz de Fora: Cidade Negra – reflexões sobre silêncio, racismo e história”, transmitido via YouTube (LABHOI UFJF), às 17h.

Autoras de alguns dos textos disponibilizados pelo Juiz de Fora, Cidade Negra, seis pesquisadoras do assunto confrontam, em entrevista à Tribuna, a narrativa oficial e reivindicam o devido lugar do negro na história e na memória de Juiz de Fora. Elione Guimarães, Giane Elisa, Gilmara Mariosa, Giovana Castro, Patrícia de Almeida e Rita de Cássia Félix retratam suas investigações, traçam paralelos com o presente e ajudam na escrita mais justa dos dias que chegam.

Leia entrevistas com algumas das pesquisadoras que se dedicaram e se dedicam a investigar a memória negra de Juiz de Fora

O silêncio sobre as memórias negras

“Como se formam as cidades negras?”, questiona, a professora Hebe Mattos, do departamento de história da UFJF, pontuando a urgência no desenvolvimento de reflexões acerca das antigas regiões escravistas, onde, segundo ela, cabe investigar se há formas mais pesadas de racismo. “Quais experiências estão invisibilizadas no presente pelo silenciamento da memória negra?”, indaga a pesquisadora, autora de livros fundamentais para o debate, como “Escravidão e cidadania no Brasil monárquico” (Zahar, 2000), “Das cores do silêncio” (Unicamp, 2013), “Diáspora negra e lugares de memória” (Eduff, 2013) e “História oral e comunidade: Reparações e culturas negras” (Letra e Voz, 2016).

“Quais experiências estão invisibilizadas no presente pelo silenciamento da memória negra?”
Hebe Mattos, professora e pesquisadora do departamento de história da UFJF

“O silêncio sobre as memórias negras é uma marca do racismo à brasileira. Está nas famílias, que trabalham pouco com suas ascendências, e está na maioria das cidades. Há cidades mais negras que outras, onde é mais fortemente, como é o caso de Juiz de Fora, a presença de negros por ser uma região aonde chegou a última geração de africanos que vieram escravizados para o Brasil, isso em quantidades muito grandes. Eram mais de 50% da população no século XIX, pessoas que vieram ilegalmente escravizadas. Foi essa geração que viveu o 13 de maio”, explica Hebe, chamando atenção para uma narrativa a ser estudada, aprofundada e registrada no período que precede a abolição. “Existe memória negra na liberdade!”, exclama.“Tem um apagamento em geral sobre a escravidão e um apagamento da experiência negra na liberdade na maioria das cidades, não só após a abolição, mas durante o século XIX, quando a maioria da população livre era afrodescendente. Muita gente ficou invisibilizada. Só se fala da experiência negra para falar da dor, e se fala no genérico. Aquelas pessoas que viveram mais perto no tempo essa experiência da dor foram muito importantes em termos de criação de cultura, formas de sociabilidade e afeto. Não é possível pensar as regiões que receberam essas pessoas falando apenas da experiência da dor, porque é uma experiência de superação também.”

Casal Francelina e Sebastião Honorato com a filha Maria Inês, caminham pela Marechal em 1955. (Acervo Giane Elisa)

Vanessa Lopes, bolsista de iniciação científica no projeto coordenado por Hebe e pela doutoranda em história Giovana Castro para a formatação do arquivo digital, recorda-se dos livros didáticos que desconsideravam a contribuição negra em diferentes áreas, retratando-os apenas nos capítulos referentes à escravidão. “O movimento negro unificado nos anos 1980 travou essa batalha com as narrativas oficiais. É o caso da questão das datas comemorativas, como a valorização do 20 de novembro pela resistência do Zumbi dos Palmares em contraponto ao 13 de maio da assinatura da Lei Aurea, que deu a abolição formal da escravatura muito no plano simbólico, uma vez que a população negra continuou sendo marginalizada com diversas leis proibindo acesso a questões básicas de sobrevivência”, pontua a estudante, entusiasmada com a criação de um centro virtual que, de acordo com ela, será essencial no “rompimento desse silenciamento histórico da contribuição e história do negro na cidade”.

O que houve a partir de 14 de maio de 1888?

Silenciamento que a comunidade acadêmica e intelectual, conforme observa Hebe Mattos, há 20 anos tenta exaustivamente romper, com pesquisas sobre o pós-abolição e sobre os processos de racialização. “Quando eu comecei a pesquisar, há mais de 30 anos, uma das minhas questões é que parecia que os últimos cativos, os últimos libertos haviam desaparecido depois do 13 de maio. Não é verdade que todos os afrodescendentes estavam escravizados no 13 de maio de 1888. Tem uma luta pela liberdade muito anterior a isso. Essa era uma última geração. O Brasil trouxe ilegalmente essas pessoas. E no 14 de maio eles sumiram da história. Eu queria pensar essa trajetória do pós-abolição. Há 20 anos houve uma explosão de pesquisas e um aumento de pesquisadores pretos e pardos muito importante. Houve muito investimento, inclusive em Juiz de Fora, onde vimos o trabalho feito pela Funalfa. Entre as pesquisas chegarem a um público maior, serem socializados, e virar memória há muito a ser feito”, reconhece a estudiosa, que, natural de Muriaé, há muito tempo identifica a importância de organização e reunião dos trabalhos já desenvolvidos para que novos aprofundamentos e olhares sejam desenvolvidos.

_____

Para a íntegra da reportagem clique aqui.

 

cbe79837-63fe-412b-87e5-f2cfda2c858b

 

c64d8ee0-1a81-4bd9-9ca9-8490da024293

Não perca a mesa de abertura, com o tema Cidades Negras no Atlântico, com as convidadas Rita de Cassia Felix,  Wlamyra Albuquerque e Ynaê Lopes dos Santos, no canal LABHOI/Afrikas no youtube !!!

ffc580a8-3465-47f0-83f5-254be0a20a6b

—-

Deixe um comentário

Arquivado em história e memória, Pos-abolição

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s