Músicos Negros na História

A história da música brasileira e da presença de afrodescendentes em ambientes letrados, como as óperas e os teatros de revista, entre o final do século XIX e início do XX, vem sendo revisitada e reescrita por músicos e historiadores. Localizamos recentemente um site super interessante, o Acervo Digital Henrique Alves Mesquita (1830-1906), organizado por Alexandre Dias, que disponibiliza obras, discografia, imagens, letras e bibliografia sobre o personagem.

Captura de Tela 2014-08-10 às 11.58.39

Músico erudito, negro, com formação patrocinada pelo Imperador em Paris, Mesquita foi professor do Conservatório Imperial de Música.

Mas fez mesmo muito sucesso nos espetáculos teatrais de mágica e revista, das últimas décadas do século XIX, onde incorporava gêneros populares urbanos, como a polca, o lundu, o tango e o maxixe. O historiador da música Antônio Augusto desenvolve importante pesquisa sobre ele. Entre outros, o artigo “Da pérola mais luminosa à poeria do esquecimento”. sobre a trajetória do músico, está disponível no site.

Muito antes do chamado modernismo, músicos eruditos, do século XIX, já ouviam os sons das ruas e da música negra. Até mesmo jongos e batuques fizeram parte do repertório de Alves Mesquita e certamente atraíam grande público aos teatros em épocas de discussão sobre a abolição, como mostrou a pesquisadora Silvia Cristina Martins de Souza. Henrique Alves Mesquita foi professor de Chiquinha Gonzaga. Ambos são apontados como marcos da música urbana carioca e da formação do choro no Rio de Janeiro.

Sobre a história da formação do choro como gênero musical no Rio de Janeiro, vale a pena consultar o site Identidades do Rio, plataforma digital de divulgação científica, organizada por um pool de pesquisadores de diversas instituições de pesquisa do Rio, sob coordenação da UFF, com apoio da FAPERJ. O site disponibiliza informações e atividades sobre diversos temas da história política, social e cultural do Rio de Janeiro, voltadas para pesquisadores, professores, estudantes, agentes culturais e lideranças comunitárias. Nessa plataforma, Luiza Mara Martins, posdoutoranda no LABHOI/UFF, organizou a cronologia do choro no Rio de Janeiro.  Na forma de uma linha do tempo que se inicia em 1845 e termina em 2011 estão reunidos textos, imagens e vídeos.

“Atraente”, a primeira música de Chiquinha Gonzaga publicada, foi criada na casa de Henrique Alves Mesquita, em 1877. O encontro está registrado na Cronologia do Choro, em um pequeno vídeo de 1:03 que vale conferir antes de continuar a leitura. É só clicar na imagem.

Captura de Tela 2014-08-10 às 11.35.28

É importante esclarecer, porém, que a estruturação do choro como gênero musical na cidade só aconteceu nas primeiras décadas do século XX, com destacada atuação de Pixinguinha. Fechamos o post com mais um vídeo da cronologia de Luiza Mara, sobre o sucesso do conjunto Os Oito Batutas, dirigido por Pixinguinha, nas décadas de 1910 e 1920 (1:53). Com a participação de músicos negros, o conjunto viajou por todo o Brasil, gravou na Argentina e se apresentou em Paris.  Convidamos os nossos leitores a ver o vídeo, basta clicar na imagem abaixo.

Captura de Tela 2014-08-10 às 11.41.13

Há muito mais para ver, ler o ouvir na Cronologia do Choro e muito outros roteiros no site. Confiram!

Captura de Tela 2014-08-10 às 11.30.33Captura de Tela 2014-08-10 às 11.47.05

2 Comentários

Arquivado em cultura negra, história e memória, história pública, historiografia

2 Respostas para “Músicos Negros na História

  1. Parabéns! Ao se falar de música e negros no Brasil, idependentemente do gênero que se aborda, jamais se pode esquecer do padre José Maurício. Um abraço!

  2. Marcelo Martins Corrêa

    A falta de conhecimento da nossa história e o esquecimento proposital da elite,que no meu modo de pensar na verdade copiam aquilo de bom que a raça negra produziu e ficam vangloriando de uma cultura plagiada por eles.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s