Diário da Bicicleta (ou conversas de Havana)

Escrevemos este texto do aeroporto Internacional José Marti, em Havana, Cuba. Estamos deixando a cidade após participarmos de colóquio sobre memória da escravidão e herança africana em Brasil e Cuba, organizado por Andre Cicalo (pelo Museu Afro-Digital da UERJ) e por Alberto Granado (pela Casa de Africa, Havana). O colóquio reuniu especialistas brasileiros e cubanos para discutir o desenvolvimento do projeto Rota do Escravo da UNESCO nos dois países, e temas como patrimônio, democracia e racismo; escravidão, arqueologia e lugares de memória; religião, literatura e herança africana em perspectiva comparada.

São muitos os diálogos entre a história da escravidão e as formas peculiares de racismo no Brasil e em Cuba. Para nossa boa surpresa, a pesquisa sobre a história do tráfico ilegal no século XIX, que tem se desenvolvido no Brasil quebrando um silêncio clássico da nossa historiografia, é tema prioritário do grupo de pesquisa da universidade cubana, coordenado pela historiadora Maria del Carmem Barcia.

Também com evidente paralelismo em relação à questão das ações afirmativas no campo cultural na sociedade brasileira, o projeto Rota do Escravo em Cuba se apresentou como instrumento para promover ações no campo da pesquisa histórica e do ensino sobre a escravidão e o tráfico negreiro, valorizando as culturas vivas de matriz africana. Apesar do discurso oficial, que persiste, de afirmação de uma cubanidade revolucionária que nega a existência de racismo, a presença dos movimentos negros no simpósio e a discussão aberta do tema nos pareceram sinais de novos tempos.

Como participantes do colóquio, fomos levadas a visitar o Pueblo de Regla, sede de importantes irmandades e organizações religiosas negras, que fica do outro lado da baía de Havana, em frente ao porto. Ali, tomamos contato com a Nossa Senhora de Regra, Virgem Negra, com um menino Jesus mestiço em seu colo, objeto de intensa devoção da população local. A história da imagem é controversa, mas sua riqueza e possibilidades simbólicas quase dispensam comentários. Em Regla, pudemos visitar também um dos muitos museus de história local existente no país, com ênfase na identidade e história das associações religiosas de matriz africanas locais (além da história cívica da revolução cubana, é claro).

Em Havana, como qualquer visitante, andamos de bicicleta-taxi e ouvimos do jazz ao tecno-salsa, embaladas em alguns mojitos e daiquiris. Na Cidade Velha, patrimônio da humanidade, com grande parte magnificamente restaurada, fomos surpreendidas por uma multidão de turistas de todas as partes do mundo convivendo intensamente com a população local. Nesses 6 dias no país, nossa impressão de viagem foi de uma sociedade otimista com o futuro, buscando conciliar modernidade, mercado e orgulho revolucionário.

Apesar disso, o acesso a internet ainda é precário. Se começamos a escrever no aeroporto José Marti, postamos este blog já em casa, no Brasil.

 cuba 1
cuba2
cuba3 cuba4 cuba5 cuba6

cuba9
cuba10 cuba88

Deixe um comentário

Arquivado em ações afirmativas, cultura negra, história e memória, história pública

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s