A aula 4 está no blog! Vulnerabilidade e Cidadania são os temas da semana

Foi emocionante a aula de Ana Flávia Magalhães Pinto sobre liberdade negra e abolicionismos. Trouxe-nos personagens e encontros inesquecíveis que podem ser visitados também aqui no Blog. O link para a íntegra da aula e a bibliografia sugerida estão no final desta postagem.

A próxima aula, “Racialização e cidadania negra”, dá continuidade ao enredo, sob a batuta de Wlamyra Albuquerque. Nas palavras da professora da UFBA:

“A abolição da escravidão foi um dos episódios mais importantes da história do Brasil. Em 1888, vinha abaixo a instituição que sustentava o Brasil, desde os tempos coloniais.  O 13 de maio de 1888 foi o resultado de uma série de circunstâncias dadas por cenários internacionais e, principalmente, por longos embates nacionais que envolveram políticos dos várias matizes ideológicas, abolicionistas, escravizados, libertos e negros nascidos livres e, sobretudo, o Estado imperial. Na década de 1880, enquanto a escravidão desmoronava ganhava espaço a disputa entre projetos nacionais, nos quais, os limites e possibilidades de liberdade e cidadania para a população negra estavam no centro da pauta política. Neste ambiente tão acirrado e decisivo para os rumos do país, pertencimentos raciais passaram a ser demarcados como fundamentais para limitar direitos destinados à população negra que, desde a década de 1870, já era majoritariamente livre ou liberta.  À medida que a abolição se mostrava irremediável, apesar dos esforços de escravistas mais convictos para mantê-la, se fazia evidente a forte racialização que buscava subalternizar e/ou desqualificar aqueles que passaram a ser denominados como “raça emancipada”. Analisar o quanto esse processo de racialização está vinculado às tentativas de limitação de direitos à população negra e de reiteração de hierarquias raciais na sociedade brasileira no tempo da abolição será o principal objetivo da aula.”

Wlamyra Albuquerque, UFBA

Por fim, não percam, daqui a pouco e logo depois com o vídeo acessível também aqui no blog, a quarentena com a Escola de História da UNRIO desta segunda, com Mariana Muaze revisitando a histórica vulnerabilidade social do trabalho doméstico no Brasil.

A AULA 4 ESTÁ NO BLOG

ANA FLÁVIA MAGALHÃES PINTO

FONTES

Hemeroteca Digital Brasileira – Biblioteca Nacional: https://bndigital.bn.gov.br/hemeroteca-digital/

O Mulato ou O Homem de Cor. Rio de Janeiro, 1833

O Homem: Realidade Constitucional ou Dissolução Social. Recife, 1876

O Exemplo. Porto Alegre, 1893, 1894

A Pátria. São Paulo, 1889 e 1890.

Gazeta da Tarde. Rio de Janeiro, 1880…

Cidade do Rio. Rio de Janeiro, 1880…

Negritos

http://negritos.com.br/.

Jornegro, n. 2, 1978.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AZEVEDO, Elciene. Orfeu de carapinha: a trajetória de Luiz Gama na imperial cidade de São Paulo. Campinas: Editora da UNICAMP, 1999.

CARNEIRO, Sueli. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. Tese de doutorado em Educação. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2005.

CHALHOUB, Sidney.  A força da escravidão: ilegalidade e costume no Brasil oitocentista. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

CHALHOUB, Sidney. Machado de Assis: historiador. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

CHALHOUB, Sidney. Visões da liberdade: Uma história das últimas décadas da escravidão na corte. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CRUZ, Itan.

EISEMBERG, Peter L. Homens esquecidos: escravos e trabalhadores livres no Brasil – século XVIII e XIX. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1989.

FARIA, Juliana et alii. Cidades Negras: Africanos, crioulos e espaços urbanos no Brasil escravista, século XIX. Rio de Janeiro: Editora Alameda, 2006.

FRANCO, Maria Sylvia de Carvalho. Homens livres na ordem escravocrata. 4.ed. São Paulo: Fundação Editora da Unesp, 1997.

GOMES, Flávio e CUNHA, Olívia. Quase-cidadão: histórias e antropologias da pos-emancipação no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2007.

GOMES, Flávio. Negros e Política: (1888-1937). Rio de Janeiro: Zarah, 2005.

GRINBERG, Keila. O fiador dos brasileiros: cidadania, escravidão e direito civil no tempo de Antonio Preira Rebouças. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

LIMA, Ana Paula Oliveira. Imprensa abolicionista e resistência negra em Goiás no século XIX. Monografia de Graduação. Goiânia: IFG, 2019.

MATTOS, Hebe Maria. Escravidão e cidadania no Brasil monárquico. Rio de Janeiro: Zarah, 2000.

NASCIMENTO, Beatriz. Beatriz Nascimento: intelectual e quilombola – Possibilidade nos dias de destruição. São Paulo: União dos Coletivos Pan-Africanistas (UCPA), 2018.

PINTO, Ana Flávia Magalhães. Escritos de Liberdade: literatos negros, racismo e cidadania no Brasil oitocentista. Campinas: Editora da Unicamp, 2018.

PINTO, Ana Flávia Magalhães. Imprensa negra no Brasil do século XIX. São Paulo: Selo Negro, 2010.

PINTO, Ana Flávia Magalhães. Vicente de Souza:intersecções e confluências na trajetória de um abolicionista, republicano e socialista negro brasileiro. Estudos Históricos, v. 32, n. 66, jan.-abr., 2019. Disponível em: https://doi.org/10.1590/s2178-149420190001000013.

Deixe um comentário

Arquivado em história pública, historiografia, Pos-abolição

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s